LILITCHKA – Wladimir Maiakovski

LILITCHKA (fragmentos)
para Lília Brik
(…)
Afora o teu amor
para mim
não há mar,
e a dor do teu amor nem a lágrima alivia
Afora o teu amor
para mim não há sol
e eu não sei onde estás nem com quem.
Se ela assim torturasse um poeta
ele
trocaria sua amada por dinheiro e glória
mas a mim
nenhum som me importa
afora o som do teu nome que eu adoro
E não me lançarei no abismo,
e não beberei veneno,
e não poderei apertar na têmpora o gatilho.


Afora
o teu olhar
nehuma lâmina me atrai com seu brilho.
Amanhã esquecerás
que te pus num pedestal,
que incendiei de amor uma alma livre,
e os dias vãos – rodopiante carnaval –
dispersarão as folhas dos meus livros…

Acaso as folhas secas destes versos
far-te-ão parar
respiração opressa?

Deixa-me ao menos
arrelvar numa última carícia
teu passo que se apressa.

Wladimir Maiakóvski “Em lugar de uma carta”.
26 de maio de 1916 (Petrogrado)

=-=-=-=-=
Lilia Yúrievna Brik  – Ler aqui.

“Quem faz literatura atualmente?”

Livro explica obra de 60 autores da literatura brasileira atual Quem faz a literatura brasileira atualmente? O que está em jogo na poesia e na prosa que se escreve no Brasil? O livro “Literatura Brasileira Hoje”, da coleção “Folha Explica”, dá destaque a 60 autores –30 poetas e 30 prosadores– da atualidade.

“Literatura Brasileira Hoje” descreve obras de 60 autores

De Manoel de Barros (nascido em 1916) a Tarso de Melo (1976), de Lygia Fagundes Telles (1923) a Nelson de Oliveira (1966), eles compõem um número amplo o bastante para demonstrar o que de mais relevante se tem escrito em nosso país. Dezenas de outros autores comparecem também, nos comentários à obra dos 60, para formar junto com eles um panorama único da nossa literatura.

O livro é assinado por Manuel da Costa Pinto, mestre em teoria literária e literatura comparada pela USP (Universidade de São Paulo) e colunista da Folha –leia o primeiro capítulo abaixo.

Como o nome indica, a série “Folha Explica” ambiciona explicar os assuntos tratados e fazê-lo em um contexto brasileiro: cada livro oferece ao leitor condições não só para que fique bem informado, mas para que possa refletir sobre o tema, de uma perspectiva atual e consciente das circunstâncias do país.

Para saber quais os livros da coleção “Folha Explica” cujos primeiros capítulos já foram publicados, clique aqui.

“Folha Explica Literatura Brasileira Hoje”
Autor: Manuel da Costa Pinto
Editora: Publifolha
Páginas: 168
Quanto: R$ 20,90
Onde comprar: nas principais livrarias, pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Publifolha

Confira a introdução do “Folha Explica Literatura Brasileira Hoje”:

Este livro tem a pretensão de apresentar um panorama da literatura brasileira contemporânea. Não propõe juízos de valor ou veredictos, mas procura salientar as razões pelas quais alguns autores se tornaram representativos da diversidade de nossa produção poética e ficcional.

Escrever a história do presente é sempre arriscado –e isso também vale para a literatura. Sem o necessário distanciamento que o passar do tempo proporciona, podemos avaliar um autor ou uma obra com base em sua repercussão imediata, que pode ser desmentida ou ratificada por obras posteriores e novas gerações de leitores. Mas se “poesia é risco” (como quer um poeta que será abordado aqui) e se o mesmo se aplica à prosa, então a crítica literária consiste em compreender o alcance e a permanência da aventura da escrita.

De certo modo, cada poema, conto ou romance contém uma concepção do que é a literatura –e o fato de que essas concepções muitas vezes se excluem mutuamente faz parte dos impasses que estão no coração do trabalho criativo. Por isso, o leitor não encontrará aqui um ponto de vista unívoco, mas obras que criam seus próprios pressupostos e os desenvolvem coerentemente. De acordo com essa idéia, a forma de exposição escolhida não poderia ser o ensaio (que supõe um centro organizador, impõe continuidades e exclusões), mas um mosaico de escritores, em que o centro está por toda parte e a circunferência em parte alguma.

Sendo assim, o volume 60 da coleção “Folha Explica” enfoca 60 autores: 30 poetas, 30 prosadores. Esse número, necessariamente arbitrário, expressa os limites de seu método e a opulência de sua matéria-prima. O livro não tem ambições enciclopédicas: os textos aqui apresentados não são verbetes que elencam a miríade de obras da literatura atual, mas leituras que procuram identificar singularidades. Por outro lado, cada um dos autores abordados constitui uma espécie de campo de força, ou seja, aponta para certas tendências ou dicções presentes em outros escritores, cujo número ultrapassa em muito os 60 capítulos aqui dispostos. Esses autores são mencionados no interior dos capítulos, estabelecendo-se correlações e diálogos. Para facilitar a leitura, ao final do volume há um índice onomástico no qual o leitor poderá visualizar a incidência dos autores e as relações que se estabelecem entre eles.

Obviamente, o critério de escolha dos escritores analisados tem algo de imponderável: crítica literária também é risco –mesmo quando não expressa uma opinião pessoal, mas procura entender a importância que autores e obras adquiriram dentro de nosso sistema literário.
=-=-=-=
Da Folha On line

A Poesia é um segredo dos deuses…

ANTONIO CICERO

A poesia é um segredo dos deuses?

Conhecendo a poesia, conhecemos uma maravilha que nenhum deus é capaz de conhecer

NUMA MESA-REDONDA de que participei recentemente, no encontro de escritores que tem lugar anualmente em Póvoa de Varzim, no norte de Portugal, o tema proposto para discussão foi: “A poesia é um segredo dos deuses”.
A propósito desse assunto, lembro que João Cabral dividia os poetas entre aqueles que tinham a poesia espontaneamente, como presente dos deuses, e aqueles -entre os quais ele mesmo se situava- que a obtinham após uma elaboração demorada, como conquista humana.
Ora, o tema da nossa mesa havia sido proposto tanto para deixar à vontade os poetas do primeiro grupo, isto é, os que acreditam na inspiração, quanto para provocar os do segundo, isto é, os que não acreditam nela, de maneira que uns e outros se sentissem livres para expor as suas poéticas divergentes.
Quanto a mim, não sinto que caiba inteiramente em nenhum desses dois grupos. Certamente considero uma tolice pensar que a poesia seja pura inspiração, pura dádiva dos deuses; mas penso que há também um quê daquela violência que os gregos chamavam de “húbris”, um quê de insolência e arrogância na tese de que ela seja o resultado plenamente consciente e calculado do trabalho.
A inspiração é o nome que damos à contribuição indispensável do incalculável, do inconsciente,

Continuar lendo

Daniel Faria por Alcir Pécora

Close reading de um poema de Daniel Faria


Penso que talvez não deva acender outra luz para poder me fixar na que escoa dos
onze versos que escolhi como guia de Daniel Faria:
Escrevo do lado mais invisível das imagens
Na parede de dentro
da escrita e penso
Erguer à altura da visão o candeeiro
Branco das
palavras com as mãos

Como a paveia atrás do segador
Vejo os pés descalços dos que
correm
E escrevo para os que morrem sem nunca terem provado o
pão
Grito-lhes: imaginai o que nunca tivestes nas mãos

Correi. Como o segador seguindo o segador
Numa ceifa terrestre,
tombando. Digo:
Imaginai
Ateio às escuras o primeiro deles:

Escrevo do lado mais invisível das imagens. As imagens, portanto,são o lugar de inscrição ou de abrangência do que é escrito e não apenas parte de seu efeito. Ao mesmo tempo, a escrita dá-se no plano menos visível da imagem. Postula-se, pois, que a imagem é anterior e maior do que a escrita e que o ponto onde se cruzam é aquele em que a imagem não se
vê. Os estranhamentos são vários. A primeira parte da premissa produz uma inversão da expectativa temporal de causa-efeito e da expectativa espacial de maior-menor (imagem anterior e maior do que a escrita). A segunda parte insinua o paradoxo: o ato da escrita do sujeito dá-se onde a imagem pode não ter imagem (lado invisível do que é visível por definição). A imagem anterior à escrita e que preexiste ao ato particular do sujeito reclama, assim, a sua resolução como imagem original, primeira — como Imagem. Aqui,
em termos pertinentes, como platonismo católico: Imagem de Deus, Verbo. A hipótese teológica favorece igualmente a dissolução do paradoxo insinuado: o Verbo é a Imagem que efetivamente é e se mostra além dos sentidos, ou do que apenas se apresenta aos olhos. O valor do que o sujeito escreve parece estar, pois, na transmissão da imagem que está na sua origem, o que não significa que o corpo sensível da letra que escreve está excluído desse valor, mas tão somente que não o esgota.
Na parede de dentro da escrita e penso.
Trata-se de escrever dentro da escrita, no que está oculto no interior do que já se encontra escrito. Assim, antes de referir a impressão sensível, a escrita na parede interna solicita lembrança, pensamento e meditação da palavra original. Escrever, nesses termos, não equivale a descrever o visto, ou a alimentar de imagens os sentidos, mas ao ato de quem toma por objeto de reflexão precisamente o que define a imagem como segunda imagem ou participação. Vale dizer, o que a entende como hipóstase do Verbo criador, e que não se revela senão dentro do homem, ele próprio entendido como imagem da Imagem. Olhar para a palavra, aqui, é análogo a olhar para dentro de si como espelho.
E penso) é também a sua síntese, e pode ser lido como intransitiva: o que escrevo, como a imagem de que escrevo, é ato de pensamento, pensamento em ato.
Erguer à altura da visão o candeeiro. Ou seja, o escrever oculto que manifesta a primeira imagem ou enigma original da palavra divina é sobretudo meditação que busca a elevação, a ascese, o rapto até o ponto de visão ou de iluminação que está acima ou além da imagem obscurecida dos sentidos, mera sombra que os habita. Mas um novo equívoco se introduz pelo corte operado pelo verso na sintaxe: erguer é tanto o sentido ascético do ato da meditação, quanto o imperativo ético implícito na compreensão da escrita como imagem
de outra, na crença do enigma na base da representação. Nesta leitura, não apenas se medita e deseja ardentemente a iluminação, mas se está obrigado a ela. Há um campo de deveres da imagem a elevar-se além do sensível, com implicações educacionais ou edificantes na ascese. enjambement sucessivo da estrofe. Dos três, o único abrupto é
também o que obtém o efeito menos ambíguo, isto é, justamente o que existe na passagem do terceiro para o quarto verso, quando se divide o termo candeeiro de sua qualidade ou cor: (Candeeiro) Branco da palavra com as mãos.

A articulação inicial deste verso propõe que se eleve à luz a meditação da palavra, o que, como se viu, implica subtraí-la à autonomia dos sentidos. Quer-se produzir a luz e a inteligência pela manifestação ostensiva do que se mantém oculto na palavra refletida. Mas é mais do que isso: o candeeiro branco, que ilumina a palavra, também a
amadurece, pela imposição das mãos. Nesta imposição, evidencia-se o
aspecto eficaz da cadeia de transmissão da representação imagética. O que
se escreve e medita não é apenas símbolo, mas causa simbólica eficiente da
iluminação pela palavra. Trata-se de transmitir a graça da luz pela
escrita escura, invisível, que, por ser enigmática, define ostensivamente
o mistério da origem, obrigando à leitura espiritual, alegórica, ascética,
que se produz como ato. A primeira estrofe, pois, assinala o
dever da imagem que se obscurece para evidenciar o mistério que a sustenta. Há um especial modo de especificação disso na estruturação
rítmica da estrofe, com versos que se ajustariam facilmente em versos
regulares de 9 e 10 sílabas. Contudo, os versos recebem acréscimos,
predominantemente de pés espondeus e peônios, que impedem o arredondamento
do ritmo poético, e postulam o oratório, o meditativo e, em todo caso, o que não se fecha na fruição do ritmo. Os versos oferecem deliberada resistência à sua forma poética. Aliás, dos sucessivos enjambements pode-se dizer o mesmo: que assinalam a determinação poética, mas, ao mesmo tempo, pelo encadeamento acumulado e ostensivo, uma espécie de prolongamento do verso em oração pausada, que se incomoda com o
barulho do ritmo.
O primeiro verso da segunda estrofe, Como a paveia atrás do segador, já se introduz,
ambiguamente, como comparação que anuncia o que se dirá a seguir, ou como
síntese do que se escreveu antes, ainda na primeira estrofe. Quer dizer, a comparação ganha certa autonomia, ou certa polivalência, que a torna capaz de ser aplicada em qualquer direção. Nela, está claro que a imagem do
segador é a figuração bíblica mais usual dos que fazem o anúncio do
Evangelho ou da Palavra de Deus, pois a semeadura propriamente dita já
está feita pelo Cristo, que renova a aliança com os homens. No tempo
escatológico posterior à sua vinda, cabe apenas ceifar os campos já
brancos de trigo. A Palavra, fértil por si mesma, amadurece e prepara o ato de quem a colhe, como a Imagem que dá lugar e ato de ser à escrita.
Mas a posição de quem escreve ou colhe, aqui, é a de quem está atrás, como quem chega por último ao campo ou à vigília, para usar os termos do Eclesiástico (33, 16): “Quanto a mim, sou o último a ficar em vigília, como quem cata espigas (como o que ajunta as bagas) atrás dos vindimadores”. Trata-se, pois, da posição última, por isso humilde, mas também a de afirmação da disposição de entregar-se sem demora à vindima e encher o lagar.
>Do lugar humilde no campo terrestre dos homens, o que medita ou vê com o coração pode enxergar os que correm descalços nele, como pobres em meio aos campos abundantes de colheita. Já no terceiro verso da segunda estrofe, após a apresentação das conhecidas imagens escriturais da colheita nos dois anteriores, recolhe-se enfim a imagem da escrita
desenvolvida nos dois primeiros versos da primeira estrofe: E escrevo para os que morrem sem nunca terem provado o pão. E tais parecem ser tanto os que não possuem bens materiais, sentido reforçado pela referência aos pés descalços do verso anterior, quanto os que não colheram o pão espiritual da semeadura divina, segundo as linhas de ponderação admitidas nas imagens bíblicas tradicionais. O que se quer tornar visível pela escrita ostensiva do mistério tem a finalidade salvífica de falar ou mover aos que não possuem os bens da terra, nem os do céu. No primeiro caso, acentua-se a oração aos últimos e deserdados; no segundo, a desolação profunda, própria da condição de exílio em que se encontram todos os que vivem fora da comunhão divina. No primeiro caso, o lugar humilde que é condição e grau da ascese tem conseqüências acentuadamente sociais; no segundo, sem exclusão da hipótese anterior, elas são mais genericamente missionárias e escatológicas.
imaginai o que nunca tivestes nas mãos — o verso que fecha a estrofe eleva a grito ou advertência dramática a voz correlata da escrita e meditação do mistério:
trata-se justamente de produzir a imagem do que nunca foi visível, a
riqueza e o sabor do pão jamais experimentado. O instrumento dessa
produção não é, mais uma vez, o que olha para o que é sensível apenas e se
manifesta fora, mas o que se aplica a descobrir o que está na natureza
criada do homem: a palavra plantada dentro dele, com suficiente força e
carisma para salvá-lo. Descobrir o infuso, isto é, imaginar a Imagem: eis
o anúncio gritado. A meditação, tornada também predicação, solicita a
imaginação e a lembrança da imagem já semeada, mas obscurecida.
Correi. Como o segador seguindo o segador — ou seja, a corrida dos descalços, antes cega, movida pela roda mortal, tem agora direção e sentido conduzidos pela imaginação de
Deus no homem, por meio da palavra invisível que o solicita. Assim
meditada, descobre-se um dinamismo da palavra que tende para sua
realização: é eficaz quando religada ao mistério que conserva como imagem
na sombra. A corrida perdida reorienta-se como imitação do que colhe a
semente madura do primeiro semeador. Numa ceifa terrestre, tomando.
Digo:
— e novamente, como nos enjambements sucessivos da
primeira estrofe, apresenta-se, adiada, a determinação do lugar da
colheita, o campo mortal da vida humana. O surpreendente, contudo, não
está nisso, mas na estupenda revelação de que o trabalho do segador se faz
tombando. Certamente, o tombar é análogo da semente que cai na
terra fértil e frutifica, mas é-o também da morte que interrompe os
trabalhos e fadigas do homem indigente:
“Não temas a sentença da morte:
lembra-te dos que te precederam e dos que te seguirão”
(Ecl. 41,3).
Sentença de morte que é beneplácito de Deus, por meio da morte
expiatória na Paixão. Imaginai — eis aqui, reposta na figura da
morte do corpo fatigado, a força pura da palavra que aniquila o que resto
dos que, afinal, nada possuíram. É na imaginação da morte que repousa a
palavra invisível.

______________________________
IN: Dos Líquidos. Porto, Fundação Manoel Leão,