Blogs em Papel e Tinta _Entrevista com Dante Gabriel R.

Blogs em papel e tinta: Entrevista com Dante Gabriel R. –
ENTREVISTA COM DANTE GABRIEL R.

*:Dante, muitos já devem ter perguntado sobre a origem do nome do seu blog, qual é a razão para esse título: “Saudade do presidente Figueiredo”?

DGR:Na verdade ninguém me perguntou até hoje. Os leitores tomam o título como um dado, um fato, aceitam a Saudade, e preferem me perguntar: “saudade do quê exatamente?” O presidente Figueiredo é uma das imagens mais fortes da minha infância. Aquele programa “A Semana do Presidente”, que era exibido aos domingos pelo Sílvio Santos na TVS (hoje SBT) me trouxe uma grande intuição sobre o absurdo do mundo, da existência.

Muito cedo tive duas grandes intuições que me acompanham até hoje. A segunda foi essa do absurdo. A primeira, e mais forte, mais urgente, foi a impressão de obscenidade do mundo, o mundo é muito obsceno. O obsceno, talvez ainda precise explicar, tem relação mais direta com o aprendizado moral e a moralidade do que, como pode imaginar o vulgo, com o erótico, com o sexo.

Afirmar a saudade do presidente Figueiredo é uma forma de deixar à mostra o obsceno. É obsceno ter saudade dele. Não se justifica de imediato. Você pode ter saudade de um brinquedo, de um programa de TV, de uma sensação que existia naquela época. Você pode ter até saudade do que o presidente Figueiredo disse ou fez ou do mundo que ele representa, mas não dele. Nesse sentido vai o obsceno, coisas que conhecemos, vivemos, partilhamos, mas não são nomeadas nem conversadas.

Num mundo em que existia um programa como “A Semana do Presidente”, aliás, em que existem programas de TV, como não ser tomado pela ciência do absurdo? São duas questões filosóficas, o absurdo e o obsceno, que talvez sejam aspectos de um mesmo problema. O obsceno é a parte sensível, você sente o obsceno, e bem cedo; o absurdo, a parte intelectiva, você entende, descobre o absurdo.

*:Uau! E quanto ao endereço: deuscanino.wunderblogs.com

DGR:Já o endereço do blog, “deus canino”, tem relação com Anúbis, o deus com a cabeça de algo que me lembra o chacal. Embora meu animal totêmico seja o gato, sou fascinado pela idéia de ter a alma pesada numa balança. Essa forma mecânica de decidir castigo ou salvação me assustava quando criança. E creio que a criança julga o adulto, é a nossa melhor consciência. Não chamei o blog de ‘deus canino’ porque não tenho grande apreço por cães. E chacal é coisa de terrorista.

*A repeito do livro, Dante, ele tem ilustrações? Pensei isso quando vi o Radamanto.

DGR: Bom, eu não usava ilustrações, mas com os recursos do Moveable Type posso botar umas imagens de gente bonita, cartazes de filmes e seleções de minha coleção virtual de pornografia, seleções bem familiares, porque meus pais lêem meu blog. O problema de levar as imagens do blog para o livro seriam os direitos de uso da imagem, de propriedade e a possibilidade de ofenderem alguém, e digo isso pensando nos outros
Wunders, que fazem montagens ou apenas sacaneiam devidamente alguém.

*Como vocês fizeram para escolher os seus melhores posts se todos, em tese, são melhores? No flattery, ok? I swear!. De fato, os meus blogs favoritos são os melhores:-)

DGR: Escolhi os textos de acordo com o tamanho inicial que pediram, perto de 80 mil toques. Depois tive de reduzir para 70 e daí para pouco mais de 50 mil. Para a primeira seleção tirei o que era media watch e os textos que falavam de filmes, hqs, músicas, livros, mesmo os didáticos, sobre literatura, sobre leitura.
Deixei de lado os posts datados e os muito grandes. A editora, a Isa [ Isabella Marcatti], sugeriu alguns cortes, mas preferi cortar outros textos. Embora tudo seja bom, não vejo problema em cortar meus textos, poderia enxugar ainda mais, mesmo deixando de fora mais de 90% dos meus arquivos. Ah, sim, editei alguns textos, cortei palavras e frases e períodos inteiros, tudo para deixar mais conciso e mais claro, ou para proteger inocentes.

Pois bem, como foi? Quem disse pra vocês, ou vocês se disseram: Basta! Ficaram em dúvida, se arrependeram depois de tê-los enviado (os posts)e acharam que “ai!, porque não mandei esse em lugar daquele”?

DGR: Não me arrependo do que mandei. Alguns textos ficaram por aclamação dos outros Wunders, como a receita para suicídio. Queria ter mantido o post sobre a física na Bélgica, que só fazia sentido para quem entendesse um pouco do assunto. Sem ele pareço menos hermético, ainda que hermetismo seja a grande crítica contra mim, o que é uma bobagem, tudo é muito claro no meu blog: o que está lá para umas 3 ou 4 pessoas entenderem está lá só para essas pessoas mesmo; não faço piadas internas, seleciono o público.

*Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento?
– Vocês tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet?

DGR: Deve ter levado uns 7, 8 meses, desde o anúncio, em novembro do ano passado, pelo editor da Barracuda, até a prova do livro, algumas semanas atrás. Parto prematuro? Mas fertilização tardia, porque as editoras convencionais ainda não acordaram para os blogs e os novos e não tão novos escritores.
Tivemos uns 3 encontros com o Fred. [Freddy, Alfred Alfred Bilyk, dono da Editora Barracuda, e também blogueiro] Um para falar da idéia, outro para nos apresentar a Isa Marcatti, a editora, outro para ver capa e provas. Em todos esses encontros bebemos e nos divertimos. Foram bem produtivos. O resto foi discutido e trabalhado pela rede.

Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?

DGR: O material do Saudade do Presidente Figueiredo caberia num livro grandão. E depois eu faria um dicionário para o Deus Canino, a explicar todas as referências e piadas. Se alguém tiver interesse, sou bem fácil.
Deixaria de fora apenas o que me causaria processos e o pouco de ficção ali postado, que juntaria a outros blogs de ficção e ao material que não dispus na rede.

Vocês escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem ‘assomos’ (hohoho) de seriedade?

DGR:Acho que uns poucos textos sérios na forma ficaram. Esclareço, a menos que diga o contrário, meus textos são todos sérios no conteúdo.

É verdade que vocês vivem todos presos, e submissos aos tacões (ueba!!!)ao chicot..digo, à tirania, ou melhor dizendo, ao reinado da Miss Veen ,(nao me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo a única menina num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo, Good Gosh, mas não lembra coisa de Dominatrix? Veen;-)?

DGR: Miss Veen nos ensina a pegar o talher. Não sei se dói, mas é gostoso. Também sou inspirado pelo Nove de Copas, pelo Petrarca, entre outras.

Reza a lenda que o Marcelo di Polli (sp é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música; ou seja que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

DGR: De Polli pode ser grande, mas não é dois. Ele nunca deu nenhuma diretriz, mas até hoje não postei fotos de mulheres de tromba, para tristeza do Ruy. Se temos um dogma central, acho que é a expectativa de inteligência, o De Polli pode ou deve esperar isso de nós. E com a inteligência vem todo o resto, o humor, os temas interessantes, as boas frases, o saudável desinteresse pela opinião do público.

* Do alto da autoridade;-) que agora vocês têm, que blog “de fora” dos wunder, vocês acham que daria pé, digo, livro?

Quando tiver corpus suficiente, o Nove de Copas. Petrarca merecia ser publicado. Pretendo ajudar a menina do Lonesome Girl a mandar os arquivos de seu blog para as editoras, é dos melhores textos de autores jovens que li. O Renan, que até então não era Wunderblog, merecia ser publicado e ofender todas as gentes e gentinhas com seu talento.

O português Luís Ene, do Ene Coisas, se ainda não conseguiu publicação, merece. O mister Steinway, do Denis do Caderno Mágico, quando tivesse material suficiente, daria um grande livro ilustrado, do tipo que abundam nos países civilizados.

A lista é grande, vou esquecer a maioria. O Na Cara do Gol, do Rafael Lima, um dia vai ter material para uns 4 livros, sobre a história dos quadrinhos, sobre esporte, sobre jornalismo, sobre a cultura brasileira. O Pulmão Cabeludo merecia ter seus textos e poemas publicados.

Também acho que livros temáticos são necessários. Pegar todos os bons textos de pensamento liberal desses blogs da direita. Pegar as polêmicas e a
cobertura de eventos como a guerra do Iraque ou a eleição do Lula ou o bom trabalho de media watch.
Fazer um livro de frivolidades culturais e boas indicações de leitura, resenhas, críticas. Material não falta.

É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

DGR: Teremos um filme. O roteiro está quase acertado, a 25 mãos. Teremos monjas do kung-fu, vampiros do espaço, Aldine Müller e quem sabe uns extras com o Pereio.

Há entre os Wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado. Vocês acham (ou não acham), que escrever um blog dos bons não é coisa ‘para amadores’? Que bons blogs podem revelar bons escritores?

DGR: Amadores, mesmo que amem o blog e a escrita, precisam antes de tudo da capacidade de pensar e de colocar esses pensamentos em ordem. Mesmo que você nunca tenha escrito, se puder pensar e colocar em ordem os pensamentos, já está no caminho. Obviamente, a leitura corta caminho, pode curar vícios, evita armadilhas de estilo e de pensamento, e até curar a vontade de escrever.
Bons blogs de textos implicam bons escritores.
Escritores consagrados, mesmo bons, podem se perder no formato blog; já vi alguns repetindo a prolixidade da página impressa. Pode parecer óbvio, o escritor precisa saber o que ele quer com o blog. Se ele quer várias coisas, pode fazer vários blogs, só não tem o direito de se decepcionar, a decepção apenas revelaria que ele não entendeu o meio blog ou que não é bom.

Acha -por favor diga que não – que são coisas excludentes escrita nos blog e literatura?

DGR: Quem diz que blog não é literatura, provavelmente tem uma definição bem clara para cada coisa. Se não tiver, não sabe o que está dizendo. Eu, que só vejo texto e possibilidades e formas de usar e objetivos, não diferencio blog de literatura. Blog é literatura porque tem todos os elementos de qualquer texto que possa figurar no tal corpus literário. Para afirmar o contrário é preciso dizer o que o blog tem de diferente, essencialmente diferente dos outros textos.
Até onde sei, nada, nem mesmo o fato de ser novidade, o que aliás nunca justificou porra nenhuma.

*Os portugueses vivem fazendo livros de blogs.. aqui não se fez ainda,até o de vocês, o que vc acha disso?

DGR: Portugal tem uma história diferente. Lá a percepção de o que é blog foi reforçada pelos nomes já conhecidos que criaram blogs, como artistas, escritores, professores, gente da mídia. Blog em Portugal não ficou restrito a diário de adolescente, única visão que a mídia brasileira consegue divulgar. O Brasil sofre um déficit cultural: a mídia se sente tribunal do que pode ou não pode existir, mas não tem competência para ver o que existe. Jornalistas não sabem até hoje lidar com a Internet. Preferem contar história (o sensacionalismo, os perigos, os acasos, os casos edificantes) a viver e mostrar como vive quem usa a rede. Não são burros os jornalistas brasileiros, mas provincianos, incultos. A incultura se evidencia até no deslumbre dos que caem de quatro diante do que tomam por novo e não é: pessoas escrevem mensagens que são lidas e comentadas por outras pessoas.

*Há alguma coisa inteligente, cool;-) que eu não tenha perguntado e deveria?

Essa última pergunta, hm, preciso pensar. Vou mandar o que já tenho, depois reviso ou penso na última pergunta.

:o)

Dante Gabriel R.., Muito obrigada. Pois pense e me diga. Enquanto isso desejo a você e à editora um imenso sucesso editorial, e que breve, brevissimo, estejamos lendo que os *rinocerontes* dominaram a terra ou o mundo.
Um beijo.

Postado por.Meg Guimarães link permanente para este texto 21 jul 2004 @ 00:06

Comentários:
Amazing! Você é.
M.

postado por: Meg às julho 21, 2004 01:01 AM

Meg
As duas primeiras respostas já mostram a que veio o Dante Gabriel. Com precisão, deitou seus conceitos e quem há-de resistir?
Nada de hermético. Ele tem um estilo elegante, sabe dizer as coisas com correção e habilidade, mostra-se enfim uma pessoa esclarecida. Gostaria muito de ver seus blogs em papel e tinta no mais breve espaço de tempo.
Meg, como entrevistadora, você se tem saído às maravilhas e esses seus entrevistados, todos nota 10!
Ambos de parabéns.

postado por: Magaly às julho 21, 2004 11:02 PM
O cara é bom.

postado por: DGr às julho 23, 2004 02:38 PM

O DGR é um mau caráter.

postado por: Erick Sama às julho 26, 2004 01:30 PM

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s