Blogs de Papel e Tinta – Entrevista com Ruy Goiaba

Foi  à época da publicação do livro Wunderblogs.com, S.Paulo, Ed. Barracuda, 2004 – 297p –

Olá, Ruy. Eu leio você desde o Blogger/Blogspot. mais ou menos, desde 2001.Você nunca deixou a peteca cair. Era uma espécie de vicio solitário?:-)Antes que surgisse a maçon…digo, os Wunderblogs, vc alguma vez já quis parar?

Ruy: Muito obrigado pelo elogio, Meg. Por não concordar inteiramente com ele é que já pensei em parar inúmeras vezes -sempre que me sinto sem inspiração, sofro com o excesso de trabalho extrablog ou “deixo a peteca cair”. Acontecia antes que eu me juntasse aos Wunderblogs e também aconteceu depois. Acabo voltando a escrever porque o Brasil é, para mim, um país inspirador -a goiabice aqui está por toda a parte.🙂

*É diferente: bom, melhor etc . escrever num ‘condomínio’ de blogs?

Ruy: Em alguns pontos, é diferente para melhor, sem dúvida. A qualidade dos textos de meus companheiros de portal exige que eu me esforce para escrever posts à altura dos deles (ou que, pelo menos, não passem muita vergonha na comparação). Esse nível de exigência é ótimo. E, em si, a companhia deles é fantástica. Foi um presente duplo -o convite para o portal e as amizades que fiz (e ainda estou fazendo) dentro dele.

* Por ser um livro de blogueiros, blogueadores, ou como dizem os lusos: bloguistas;-) há ilustrações? (como vê só perguntas cruciais;-(((]

Ruy: Nenhuma, Meg. Só texto. Mas você sabe que o forte dos nossos blogs é texto, com o perdão da imodéstia. O meu quase não tem ilustração nenhuma, a não ser os “pingüim covers” (ultimamente, algumas musas cinemusicais -Fanny Ardant, Françoise Hardy, Audrey Hepburn, Charlotte Rampling). Acho muito legal que uma editora como a Barracuda considere que nossos posts, escritos para ser efêmeros, ficam de pé a ponto de justificar um livro. Não estou muito certo disso no que tange aos meus, mas concordo quanto aos dos meus colegas.

*Diante do seu blog, às vezes, fico parada como o burro de Buridan (ou seria o “asno”?) e não sei se vou ler os posts de 2001, 2002 ou o que escreveu um ano atrás nessa mesma data. Você acha que é ruim o fato de que o que você faz tão bem, ficar esquecido, lá pra trás etc..?

Ruy: Sinceramente, Meg, acho ótimo que os posts de 2001 fiquem esquecidos. Odeio ler o que escrevi no começo do blog. Penso que só comecei a acertar o tom depois de uns seis meses de “blogagem” -só a partir de maio ou junho de 2002 escrevi alguns textos que ainda gosto de ler. Foi esse, aliás, o marco inicial da seleção que fiz para o livro.

*Como vocês fizeram para escolher os seus melhores posts se todos, em tese, são melhores? No flattery, ok? I swear!. De fato, os meus blogs favoritos são os melhores:-)
Pois bem, como foi? Quem disse pra vocês, ou vocês se disseram: Basta!
Ficaram em dúvida, se arrependeram depois de tê-los enviado (os posts)
e acharam que “ai!, porque não mandei este em lugar daquele”?

Ruy: Não, foi fácil. Eu tinha uma idéia bem clara de quais posts desejava manter no livro, quais eu achava que ainda eram interessantes. Fizemos uma seleção inicial mais longa, que teve de ser bastante cortada para que coubéssemos todos num livro de 300 páginas -e eu cortei os meus com gosto e sem dó. Sou jornalista e tenho bastante experiência como redator: massacre da serra elétrica é comigo mesmo🙂

Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento?
– Vocês tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet?

Ruy :Preciso checar as datas certas, mas acho que a idéia de fazer o livro começou a ser discutida no segundo semestre de 2003 no grupo dos Wunderblogs dentro do Yahoo!. Dali até o lançamento -que será agora, no início de julho- deve ter transcorrido um ano, talvez até um pouco menos. Conversamos muito pela internet e marcamos alguns encontros não-virtuais para tratar da obra.

*Aliás, como/quando foi que a idéia de fazer um livro dos wunder reunidos ganhou consistência e vocês viram que ia dar mesmo;-)?

Ruy: Fomos convidados pelo dono da Barracuda, Freddy Bilyk -também blogueiro, dono do “168 horas”- para fazer um livro-coletânea de posts, o que muito nos honra. Não saímos com a idéia da coletânea embaixo do braço, batendo à porta das editoras: fomos procurados. E o Freddy ainda está lançando a própria editora com o “wunderbook”, o que é uma tremenda responsabilidade para nós. Vimos que a coisa era séria ao longo das conversas com ele e com a nossa editora, Isabella Marcatti, que já trabalhou na 34. Freddy foi, salvo engano meu, diretor comercial da Editora D’Avila, na época em que ali se editavam as revistas “Bravo!” e “República”, então no auge. Espero que a Barracuda dê muito certo.

*Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?

Ruy: Só do meu? Não, nem me interessa muito. Acho legal como um capítulo do livro dos Wunderblogs, mas não penso que a “carreira solo”, no caso, se justifique. Um pedaço de goiaba já está de bom tamanho🙂

*Vocês escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem ‘assomos’ (hohoho) de seriedade?

Ruy: No blog, eu tenho “assomos” de seriedade muito raros, graças a Deus. E nenhum deles está na coletânea. Por outro lado, você pode considerar que todas as minhas brincadeiras são seriíssimas. 😉

* É verdade que vocês vivem todos presos, e submissos aos tacões (ueba!!!)
ao chicot…digo, à tirania, ou melhor dizendo, ao reinado da Miss Veen ,
(nao me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo a única menina, bonita, inteligente, num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo, Good Gosh, mas não lembra coisa de Dominatrix? Veen;-)?

Ruy:Juliana gosta de bancar a “rainha má” de vez em quando, mas não é bem assim. Ela é um doce. Somos “súditos” de Miss Veen não graças ao chicote, mas pela combinação de inteligência e beleza -ambas raras, ambas em grandes quantidades. Com isso, é claro que ela acaba sendo bastante paparicada, mas agora há mais wunderwomen para chamar a atenção dos “enlouquecidos rapagões”. Sobre os “tacões”, acho que só o Marcelo pode se pronunciar a esse respeito🙂

*Reza a lenda que o Marcelo di Polli (sp? é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música;ou seja que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

Ruy: Se o critério fosse só altura, Felipe Ortiz seria um sério competidor de Marcelo de Polli. 🙂 Marcelo e Juliana merecem todos os elogios pela qualidade do portal que foram capazes de montar. Quanto a mim, que sou mesmo um rosto de beleza ímpar (afe), não tem essa de “vencer pelo próprio talento”, não. Eu quero é ser gostoso, ver as goiabetes se jogando aos meus pés e dançar mambolê com todas elas. Uepa!🙂

*Do alto da autoridade;-) que agora vocês têm, que blog “de fora” dos wunder, você acha que daria pé, digo, livro?

Ruy: Ah, há uma lista considerável. Vou citar só aqueles de que me lembro imediatamente -espero não cometer nenhuma injustiça. Eu leria livros-coletânea escritos pelo Nelson Moraes, do “Ao Mirante, Nelson!”, pelo velho e bom Inagaki, pelo Arnaldo Allemand Branco (do Mau Humor), pelo Milton Ribeiro, pelo Pedro Sette doIndivíduo e pelos lusitanos do Gato Fedorento. E tenho certeza de que esqueci vários; desculpem.

*É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

Ruy: Deus livre os leitores! *rs* . Mas, se houvesse a possibilidade e eu tivesse algum poder de decisão, queria ser dirigido pelo fantasma do Walter Hugo Khouri e ter no elenco, contracenando comigo, Monique LafondAldine MüllerHelena Ramos eNicole Puzzi. Claro, eu mesmo no papel de Jece Valadão ou Pereio. Não me contento com pouco, porra🙂

*Há entre os wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado.
Vocês acham ou não acham que escrever um blog dos bons não é coisa pra amadores? Particularmente, Ruy, lembro de você colocar à nossa disposição os livros do Campos de Carvalho. Putz…isso tem que ser considerado, não é?

Ruy: Meg, acho que isso de colocar à disposição os livros do Campos de Carvalho não fui eu que fiz… *rs*. Já citei o escritor surrealista, mas não me lembro de ter posto esse tipo de link para ele. Será que fiz isso? Preciso consultar os arquivos. Quanto à “coisa para amadores”, bem, todos somos amadores, mas tentamos sê-lo profissionalmente.🙂

Os portugueses vivem fazendo livros de blogs… aqui no Brasil nunca se fez ainda – até o de vocês. O que vc acha disso?

Ruy: Em Portugal, desde o início, os blogs têm essa característica “literária”, por assim dizer, bem mais acentuada do que aqui. Lá eles são levados mais a sério, como veículos de expressão de gente como o escritor Miguel Esteves Cardoso e o eurodeputadoPacheco Pereira. O lado “querido diário”, que existe, parece bem menos presente do que no Brasil, e isso é ótimo – os portugueses parecem ter consciência de que para escrever em blog é preciso ser alfabetizado. Mas sou metade português, filho de mãe trasmontana e bem suspeito para falar disso🙂

*Ouve-se falar, agora,  que  ‘livro é livro, blog é blog’, (bem,…até é)
mas você acha que são coisas excludentes,  blog e literatura?

Ruy: Certamente não. Acho que qualquer coisa se pode fazer num blog. Literatura, filosofia -até um tratado teológico, se a pessoa tiver fôlego e interesse. Blog é só um instrumento. Aquela história de “diário virtual” é um clichê cada vez mais falso, embora ainda bastante confirmado. Reduzi-lo à dimensão do “diarinho” é, contudo, empobrecê-lo.

*Just for you’, Ruy: É verdade que você não acredita no Estado do Pará, oh homem de pouca fé?;-)))

Ruy: Eu disse isso também? Meu Deus, quanta bobagem já escrevi na internética:) Na verdade, influenciado pelo Campos de Carvalho, eu não acreditava era na existência daBulgária. Mas fui cabalmente desmentido pelos belos olhos verdes de uma amiga que me assegurou ser descendente de búlgaros. Now I’m a believer:)

*E, por fim: Há alguma coisa inteligente, cool;-) que eu não tenha perguntado e deveria?

Ruy:Não, Meg, as perguntas foram ótimas. Muito obrigado por elas.

Ruy, fico obrigadíssima. E, como já falei, encantada por sua gentileza em me deixar quase à l’aise:-) Muito sucesso para o livro e para a Editora.

 

 

Links referenciais e umas N. da E.:-):

Jules=Juliana Lemos = Miss Veen, que durante todo o tempo foi a única menina do portal:-). Agora, há a esfuziante Colorina e a inefável Astartéia.

Marcelo de Polli – El Gran Señor do Portal Wunderblogs e blogueiro
do Aquapermanens.

*Felipe Ortiz. É o outro altão dos Wunder, Ele é meu querido amigo e correspondente, em Constantinopla 😉 e escreve o belo blog Alexandrinas.

* Editora Barracuda Ltda..

*Alfred (Freddy) Bilyk, dono da Editora Barracuda e do blog 168 horas.

Isabella Marcatti. Editora da Editora .

Arnaldo Allemand Branco, escreve o blog Mau Humor.

Nelson Moraes – mantém um site e escreve vários blogs, entre eles o citado e conhecido de todos Ao Mirante, Nelson! 😉

Alexandre Inagaki mantém o blog Pensar Enlouquece, Pense Nisso

Milton Ribeiro – escreve o blog Milton Ribeiro, homônimo, portanto:-).

*Pedro Sette Câmara Do site e do blog – O Indivíduo (que começou com Pedro Sette Câmara, Alvaro Velloso e Sergio di Biasi)* e continua embora o Pedro escreva com a maior frequência:-)
(alterado em 22/jul/04 à 1:20 h a.m – updated)

*Miguel Esteves Cardoso – Escritor. É de Portugal. No Brasil, há dois de seus livros: Minhas Aventuras na República Portuguesa (crônicas e textos coligidos por Eugénia Melo e Castro) e O Amor é fodido (romance) ambos pela Editora Francisco Alves.
Além disso, (como eu) adota o acrônimo MEC 😉 e adora Audrey Hepburn, para dizer o mínimo. Sou ‘cliente’ dele;-)

J. Pacheco Pereira, o deputado representante de Portugal na Comunidade Européia – mantém o blog Abrupto que assina como JPP

*Gato Fedorento blogue/ ‘criação coletiva’ de Tiago Dores, Miguel Góis, Ricardo de Araújo Pereira e Zé Diogo Quintela.

~=~=~=~=
Ficou grandinho, né? Desculpem. Mas vocês vão ler tu-di-nho, não vão?;-)

*Originalmente publicado em 19 de julho de 2004

Blogs em Papel e Tinta _Entrevista com Dante Gabriel R.

Blogs em papel e tinta: Entrevista com Dante Gabriel R. –
ENTREVISTA COM DANTE GABRIEL R.

*:Dante, muitos já devem ter perguntado sobre a origem do nome do seu blog, qual é a razão para esse título: “Saudade do presidente Figueiredo”?

DGR:Na verdade ninguém me perguntou até hoje. Os leitores tomam o título como um dado, um fato, aceitam a Saudade, e preferem me perguntar: “saudade do quê exatamente?” O presidente Figueiredo é uma das imagens mais fortes da minha infância. Aquele programa “A Semana do Presidente”, que era exibido aos domingos pelo Sílvio Santos na TVS (hoje SBT) me trouxe uma grande intuição sobre o absurdo do mundo, da existência.

Muito cedo tive duas grandes intuições que me acompanham até hoje. A segunda foi essa do absurdo. A primeira, e mais forte, mais urgente, foi a impressão de obscenidade do mundo, o mundo é muito obsceno. O obsceno, talvez ainda precise explicar, tem relação mais direta com o aprendizado moral e a moralidade do que, como pode imaginar o vulgo, com o erótico, com o sexo.

Afirmar a saudade do presidente Figueiredo é uma forma de deixar à mostra o obsceno. É obsceno ter saudade dele. Não se justifica de imediato. Você pode ter saudade de um brinquedo, de um programa de TV, de uma sensação que existia naquela época. Você pode ter até saudade do que o presidente Figueiredo disse ou fez ou do mundo que ele representa, mas não dele. Nesse sentido vai o obsceno, coisas que conhecemos, vivemos, partilhamos, mas não são nomeadas nem conversadas.

Num mundo em que existia um programa como “A Semana do Presidente”, aliás, em que existem programas de TV, como não ser tomado pela ciência do absurdo? São duas questões filosóficas, o absurdo e o obsceno, que talvez sejam aspectos de um mesmo problema. O obsceno é a parte sensível, você sente o obsceno, e bem cedo; o absurdo, a parte intelectiva, você entende, descobre o absurdo.

*:Uau! E quanto ao endereço: deuscanino.wunderblogs.com

DGR:Já o endereço do blog, “deus canino”, tem relação com Anúbis, o deus com a cabeça de algo que me lembra o chacal. Embora meu animal totêmico seja o gato, sou fascinado pela idéia de ter a alma pesada numa balança. Essa forma mecânica de decidir castigo ou salvação me assustava quando criança. E creio que a criança julga o adulto, é a nossa melhor consciência. Não chamei o blog de ‘deus canino’ porque não tenho grande apreço por cães. E chacal é coisa de terrorista.

*A repeito do livro, Dante, ele tem ilustrações? Pensei isso quando vi o Radamanto.

DGR: Bom, eu não usava ilustrações, mas com os recursos do Moveable Type posso botar umas imagens de gente bonita, cartazes de filmes e seleções de minha coleção virtual de pornografia, seleções bem familiares, porque meus pais lêem meu blog. O problema de levar as imagens do blog para o livro seriam os direitos de uso da imagem, de propriedade e a possibilidade de ofenderem alguém, e digo isso pensando nos outros
Wunders, que fazem montagens ou apenas sacaneiam devidamente alguém.

*Como vocês fizeram para escolher os seus melhores posts se todos, em tese, são melhores? No flattery, ok? I swear!. De fato, os meus blogs favoritos são os melhores:-)

DGR: Escolhi os textos de acordo com o tamanho inicial que pediram, perto de 80 mil toques. Depois tive de reduzir para 70 e daí para pouco mais de 50 mil. Para a primeira seleção tirei o que era media watch e os textos que falavam de filmes, hqs, músicas, livros, mesmo os didáticos, sobre literatura, sobre leitura.
Deixei de lado os posts datados e os muito grandes. A editora, a Isa [ Isabella Marcatti], sugeriu alguns cortes, mas preferi cortar outros textos. Embora tudo seja bom, não vejo problema em cortar meus textos, poderia enxugar ainda mais, mesmo deixando de fora mais de 90% dos meus arquivos. Ah, sim, editei alguns textos, cortei palavras e frases e períodos inteiros, tudo para deixar mais conciso e mais claro, ou para proteger inocentes.

Pois bem, como foi? Quem disse pra vocês, ou vocês se disseram: Basta! Ficaram em dúvida, se arrependeram depois de tê-los enviado (os posts)e acharam que “ai!, porque não mandei esse em lugar daquele”?

DGR: Não me arrependo do que mandei. Alguns textos ficaram por aclamação dos outros Wunders, como a receita para suicídio. Queria ter mantido o post sobre a física na Bélgica, que só fazia sentido para quem entendesse um pouco do assunto. Sem ele pareço menos hermético, ainda que hermetismo seja a grande crítica contra mim, o que é uma bobagem, tudo é muito claro no meu blog: o que está lá para umas 3 ou 4 pessoas entenderem está lá só para essas pessoas mesmo; não faço piadas internas, seleciono o público.

*Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento?
– Vocês tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet?

DGR: Deve ter levado uns 7, 8 meses, desde o anúncio, em novembro do ano passado, pelo editor da Barracuda, até a prova do livro, algumas semanas atrás. Parto prematuro? Mas fertilização tardia, porque as editoras convencionais ainda não acordaram para os blogs e os novos e não tão novos escritores.
Tivemos uns 3 encontros com o Fred. [Freddy, Alfred Alfred Bilyk, dono da Editora Barracuda, e também blogueiro] Um para falar da idéia, outro para nos apresentar a Isa Marcatti, a editora, outro para ver capa e provas. Em todos esses encontros bebemos e nos divertimos. Foram bem produtivos. O resto foi discutido e trabalhado pela rede.

Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?

DGR: O material do Saudade do Presidente Figueiredo caberia num livro grandão. E depois eu faria um dicionário para o Deus Canino, a explicar todas as referências e piadas. Se alguém tiver interesse, sou bem fácil.
Deixaria de fora apenas o que me causaria processos e o pouco de ficção ali postado, que juntaria a outros blogs de ficção e ao material que não dispus na rede.

Vocês escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem ‘assomos’ (hohoho) de seriedade?

DGR:Acho que uns poucos textos sérios na forma ficaram. Esclareço, a menos que diga o contrário, meus textos são todos sérios no conteúdo.

É verdade que vocês vivem todos presos, e submissos aos tacões (ueba!!!)ao chicot..digo, à tirania, ou melhor dizendo, ao reinado da Miss Veen ,(nao me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo a única menina num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo, Good Gosh, mas não lembra coisa de Dominatrix? Veen;-)?

DGR: Miss Veen nos ensina a pegar o talher. Não sei se dói, mas é gostoso. Também sou inspirado pelo Nove de Copas, pelo Petrarca, entre outras.

Reza a lenda que o Marcelo di Polli (sp é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música; ou seja que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

DGR: De Polli pode ser grande, mas não é dois. Ele nunca deu nenhuma diretriz, mas até hoje não postei fotos de mulheres de tromba, para tristeza do Ruy. Se temos um dogma central, acho que é a expectativa de inteligência, o De Polli pode ou deve esperar isso de nós. E com a inteligência vem todo o resto, o humor, os temas interessantes, as boas frases, o saudável desinteresse pela opinião do público.

* Do alto da autoridade;-) que agora vocês têm, que blog “de fora” dos wunder, vocês acham que daria pé, digo, livro?

Quando tiver corpus suficiente, o Nove de Copas. Petrarca merecia ser publicado. Pretendo ajudar a menina do Lonesome Girl a mandar os arquivos de seu blog para as editoras, é dos melhores textos de autores jovens que li. O Renan, que até então não era Wunderblog, merecia ser publicado e ofender todas as gentes e gentinhas com seu talento.

O português Luís Ene, do Ene Coisas, se ainda não conseguiu publicação, merece. O mister Steinway, do Denis do Caderno Mágico, quando tivesse material suficiente, daria um grande livro ilustrado, do tipo que abundam nos países civilizados.

A lista é grande, vou esquecer a maioria. O Na Cara do Gol, do Rafael Lima, um dia vai ter material para uns 4 livros, sobre a história dos quadrinhos, sobre esporte, sobre jornalismo, sobre a cultura brasileira. O Pulmão Cabeludo merecia ter seus textos e poemas publicados.

Também acho que livros temáticos são necessários. Pegar todos os bons textos de pensamento liberal desses blogs da direita. Pegar as polêmicas e a
cobertura de eventos como a guerra do Iraque ou a eleição do Lula ou o bom trabalho de media watch.
Fazer um livro de frivolidades culturais e boas indicações de leitura, resenhas, críticas. Material não falta.

É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

DGR: Teremos um filme. O roteiro está quase acertado, a 25 mãos. Teremos monjas do kung-fu, vampiros do espaço, Aldine Müller e quem sabe uns extras com o Pereio.

Há entre os Wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado. Vocês acham (ou não acham), que escrever um blog dos bons não é coisa ‘para amadores’? Que bons blogs podem revelar bons escritores?

DGR: Amadores, mesmo que amem o blog e a escrita, precisam antes de tudo da capacidade de pensar e de colocar esses pensamentos em ordem. Mesmo que você nunca tenha escrito, se puder pensar e colocar em ordem os pensamentos, já está no caminho. Obviamente, a leitura corta caminho, pode curar vícios, evita armadilhas de estilo e de pensamento, e até curar a vontade de escrever.
Bons blogs de textos implicam bons escritores.
Escritores consagrados, mesmo bons, podem se perder no formato blog; já vi alguns repetindo a prolixidade da página impressa. Pode parecer óbvio, o escritor precisa saber o que ele quer com o blog. Se ele quer várias coisas, pode fazer vários blogs, só não tem o direito de se decepcionar, a decepção apenas revelaria que ele não entendeu o meio blog ou que não é bom.

Acha -por favor diga que não – que são coisas excludentes escrita nos blog e literatura?

DGR: Quem diz que blog não é literatura, provavelmente tem uma definição bem clara para cada coisa. Se não tiver, não sabe o que está dizendo. Eu, que só vejo texto e possibilidades e formas de usar e objetivos, não diferencio blog de literatura. Blog é literatura porque tem todos os elementos de qualquer texto que possa figurar no tal corpus literário. Para afirmar o contrário é preciso dizer o que o blog tem de diferente, essencialmente diferente dos outros textos.
Até onde sei, nada, nem mesmo o fato de ser novidade, o que aliás nunca justificou porra nenhuma.

*Os portugueses vivem fazendo livros de blogs.. aqui não se fez ainda,até o de vocês, o que vc acha disso?

DGR: Portugal tem uma história diferente. Lá a percepção de o que é blog foi reforçada pelos nomes já conhecidos que criaram blogs, como artistas, escritores, professores, gente da mídia. Blog em Portugal não ficou restrito a diário de adolescente, única visão que a mídia brasileira consegue divulgar. O Brasil sofre um déficit cultural: a mídia se sente tribunal do que pode ou não pode existir, mas não tem competência para ver o que existe. Jornalistas não sabem até hoje lidar com a Internet. Preferem contar história (o sensacionalismo, os perigos, os acasos, os casos edificantes) a viver e mostrar como vive quem usa a rede. Não são burros os jornalistas brasileiros, mas provincianos, incultos. A incultura se evidencia até no deslumbre dos que caem de quatro diante do que tomam por novo e não é: pessoas escrevem mensagens que são lidas e comentadas por outras pessoas.

*Há alguma coisa inteligente, cool;-) que eu não tenha perguntado e deveria?

Essa última pergunta, hm, preciso pensar. Vou mandar o que já tenho, depois reviso ou penso na última pergunta.

:o)

Dante Gabriel R.., Muito obrigada. Pois pense e me diga. Enquanto isso desejo a você e à editora um imenso sucesso editorial, e que breve, brevissimo, estejamos lendo que os *rinocerontes* dominaram a terra ou o mundo.
Um beijo.

Postado por.Meg Guimarães link permanente para este texto 21 jul 2004 @ 00:06

Comentários:
Amazing! Você é.
M.

postado por: Meg às julho 21, 2004 01:01 AM

Meg
As duas primeiras respostas já mostram a que veio o Dante Gabriel. Com precisão, deitou seus conceitos e quem há-de resistir?
Nada de hermético. Ele tem um estilo elegante, sabe dizer as coisas com correção e habilidade, mostra-se enfim uma pessoa esclarecida. Gostaria muito de ver seus blogs em papel e tinta no mais breve espaço de tempo.
Meg, como entrevistadora, você se tem saído às maravilhas e esses seus entrevistados, todos nota 10!
Ambos de parabéns.

postado por: Magaly às julho 21, 2004 11:02 PM
O cara é bom.

postado por: DGr às julho 23, 2004 02:38 PM

O DGR é um mau caráter.

postado por: Erick Sama às julho 26, 2004 01:30 PM

Blogs em Papel e Tinta – Entrevista com César Miranda

Blogs em papel e tinta: Entrevista com César Miranda – Pró Tensão

ENTREVISTA COM CÉSAR MIRANDA

César,  a Jules, o Ruy Goiaba e – depois – você eram do Blogspot, e eu os leio desde então. Todos se mantiveram ótimos: na minha opinião, nunca deixaram a peteca cair. Era uma espécie de vício solitário?:-) Antes que surgisse a maçon..digo, os Wunderblogs, vc alguma vez já quis parar?

César::Jamais quis parar. Nunca parar, sempre Pará. Jamais foi um vício solitário para mim, se não fossem duas ou três pessoas muito especiais que sei que me lêem e se interessam pelo que escrevo, eu nem escreveria. Sou um preguiçoso!

Como foi que você entrou para a seit…, digo, para os Wunderblogs? É diferente? bom, melhor etc.. escrever num ‘condomínio’ de blogs?

César:Jamais imaginei que entraria, jamais tinha sido sondado ou coisa do tipo. Sempre os adorei e sempre achei normalíssimo não fazer parte do grupo, pois sempre achei todos (e ainda acho) muuuito superiores a mim. Um dia Marcelo mandou email, jamais tínhamos tido qualquer tipo de contato, perguntando se eu gostaria de entrar para o grupo, respondi perguntando quem eu deveria matar.
Escrever não é diferente, antes eu produzia um tipo de texto que continuei produzindo quando virei wunder e que continuarei depois que nos separarmos. O bom, o melhor, é ter amigos daquele quilate lá e participar da wunderlista, por exemplo. Isto é maravilhoso.

Por ser um livro de blogueiros, blogueadores, ou como dizem os lusos : bloguistas;-) há ilustrações? (como vê só perguntas cruciais;-(((

César: Só palavras, palavras, palavras, como diria o Xico Pires. Seria ótimo que tivesse ilustrações, as do Radamanto já são cult. Eu gostaria que tivesse som também.

Diante do seu blog às vezes fico parada como o burro de Buridan (ou seria o”asno”?) e não sei se vou ler os posts de  2001, 2002 ou o que escreveu um ano atrás nessa mesma data. Vc acha que é ruim o fato de que o que você faz tão bem, ficar esquecido, lá pra trás etc..?

César: Acho ruim e fico triste. Fico com pena dos leitores que conhecem o Pró Tensão agora e, pobres, não fuçam seu passado distante. Acho que eu era mais besta no começo. Ser mais besta é uma qualidade para quem se diz humorista, o que significa que sendo mais besta, já fui melhor.

Como vocês fizeram para escolher os seus melhores posts se todos são muito bons? No flattery, ok? I swear!. Os blogs que eu gosto são de fato os melhores;-) Pois bem, como foi? Quem disse para vocês -ou vocês se disseram-: Basta! ?
Ficaram em dúvida, se arrependeram depois de tê-los enviado (os posts) e acharam que ” ai!, porque não mandei esse em lugar daquele”?

César: No começo, fizemos uma seleção que tinha um limite (parece que eram 70 mil toques) e depois fomos enxugando, enxugando. No começo é terrível, no final você vicia em editar que se não tomar cuidado, corta tudo. Cortei muita coisa que gosto também porque são coisas que não acho parecido com post (se é que isto existe), por exemplo meus contos curtos. Se você procurar na minha seleção encontrará um só. Nossa editora Isabella Marcatti é uma maravilha, uma profissional que eu jamais imaginei que encontrasse nessa trabalheira que é organizar um livro veríficando cada letra, cada encontro vocálico etc. A primeira editora a gente nunca esquece. Sobre arrependimento, bem, eu tento não ler minha seleção.

Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento? Os wunder tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet? Aliás, como/quando foi que a idéia de fazer um livro dos wunders reunidos, ganhou consistência e vcs viram que ia dar mesmo;-)?

César: Acho que só o WM poderia responder estas.
[ N. da E.: WM= Wunder Meister ou seja Marcelo de Polli]

Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?César: Claro. Não só o meu. Todos os wunders poderiam fazê-lo extraordinariamente. Um livro do Radamanto, imagine, seria o máximo.

Vocês, certamente, escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem ‘assomos’ (hohoho) de seriedade?

César: Meu blog chama-se Pró Tensão, ele é tudo o que indica o nome: sábio e bobo.
Mas não só isto, é também: holístico e transgênico, auto-ajuda e auto-atrapalho, santo e pecador, músico e surdo, poético e prosaico, político e honesto, velho e novo, platônico e aristotélico, anjos e serpentes, terra de contrastes, Parmênides e Heráclito, Freud e Jung, Chico e Caetano.

Ih ..eu me lembrei da Miss Veen;-) É verdade que vocês vivem todos presos, rendidos e submissos aos tacões (ueba!!!) ao chicot..digo, à tirania, ou melhor dizendo, ao reinado da Miss Veen ? (não me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo bonita, inteligentérrima e a única menina num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo,
Good Gosh, mas não lembra coisa de dominatrix? Veen;-)?

César:Não sei os outros, eu concordo com tudo o que ela diz, pede e quer. Que eu não sou besta!

Reza a lenda que o Marcelo di Polli (é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música, ou seja, que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos
de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

César: O WM é o chefe mais amado da nação. Seu tamanho é apenas mais uma de suas perfeitas e adequadas propriedades para nos defender de todo o mal.
Já o nosso talento inimitável é apenas coincidência. Ousaria dizer que somos mais lindos que lidos. Quem foi ao lançamento constatou que nossos textos não chegam a nossos pés. Só não montamos um Wunderfotolog porque realmente a fotografia não nos faz justiça. Só vendo, só vendo.

Do alto da autoridade;-) que agora vocês têm, que blog “de fora” dos wunder, você acha que daria pé, digo, livro?

César: Muitos, muitos mesmo. O Drops da Fal, O Mirante do Nelson, o Milton Ribeiro, Zadig, o Mundo Perfeito, só para citar meus amigos. O que não dá para entender é tanto escritor maravilhoso não viver só de escrever.

É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

César: O filme será dirigido pelo Radamanto, evidentemente. Com trilha sonora de Ruy Goiaba. Mercuccio no papel de Peter Selers.

Há entre os wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado. Vocês acham ou não acham, que escrever um blog dos bons não é “coisa pra amadores”? (explicando melhor, com essa pergunta quero saber o que acham da idéia de que escrever num blog é considerado como uma coisa “menos nobre” em relação a escrever um livro, por exemplo.)

César: Muitos blogueiros são ótimos escritores. Pertencem apenas ao MSE, movimento dos sem editora e são pacíficos, não há movimento mais pacífico. Blog não é coisa séria mesmo principalmente porque ninguém recebe nada. Quanto à nobreza, putz, tem tanta porcaria publicada em forma de livro. E tem tanto post que você não pode chamar de “textos efêmeros para a internet” como fez a Folha de S. Paulo. O meio é irrelevante neste caso.

Os portugueses vivem fazendo ‘livros de blogs”… aqui não se fez ainda, até o de vocês, o que acha disso?

César: Acho um verdadeiro escândalo o nosso ser o primeiro, mas no caso do Brasil coisas assim é normal. O Francis Hime, por exemplo, lança um disco e ninguém diz nada. Em um país decente, se um Francis Hime lança um disco, eis um evento magnífico digno de todas as notas possíveis. Além disto, como diz o Millôr, quando uma moda fica velha vem morar no Brasil.

Vocês acham que existe essa coisa de livro é livro, blog é blog, (bem,…até é) Mas não acham que  pelo blog se conhece o talento de quem o escreve?
Ou ainda, você acha – que são coisas excludentes blog e literatura?

César: Blog é um meio não uma espécie de arte. Logo, blog, nada significa. Acho, por exemplo, que Montaigne era um blogueiro. O problema é que naquele tempo não existia blog.

Há alguma coisa inteligente, cool;-) que eu não tenha perguntado e deveria?

César: Só quero sugerir (exigiria se pudesse) que comecem o livro pelos textos do Felipe Ortiz. Jamais serão os mesmos e lerão o resto como se levitassem.

Meu Deus, eu é que agradeço. Foi minha primeira vez (!) e como todos podem ver estou muito nervosa;-) Sério.
E desejo muito sucesso à Editora Barracuda e que o Wunderblogs.com fique assim por muitas e muitas semanas nas Listas dos mais vendidos.

César Miranda escreve o blog Pró Tensão. É advogado, compositor, escritor, letrista e adora o Elomar.

Postado por.Meg Guimarães link permanente para este texto 21 jul 2004 @ 00:06
******************************************
COMENTÁRIOS

Comentários:
Meg, você sabe que tenho uma opinião formada sobre o César. Acho-o ínteligente, sagaz, bem-humorado, dono de um texto enxuto, de uma aguda sensiblidade que o faz produzir palíndromos geniais, haicais de amor, poemas, temas satíricos, que ora estão abrilhantando o livro.
A leitura de seus posts foi pra mim uma festa e um aprendizado.
Claro que, na entrevista. ele se saiu muito bem, ou melhor,ainda surpreendeu por suas respostas precisas e pela graça que põe em tudo o que diz.
César,sou sua fã e devo isso à nossa amiga que o enche agora de “perguntas cruciais” que só conseguiram comprovar suas reais qualidades de escritor.
Parabenizo os dois.

postado por: Magaly às julho 21, 2004 09:39 PM
*******
“Todos os wunders poderiam fazê-lo extraordinariamente. Um livro do Radamanto, imagine, seria o máximo.”
Que é isso, o seu seria muito melhor, caro César.
Obrigado, obrigado.
E lendo sua entrevista fiquei com muita vergonha da minha. :o)
postado por: Radamanto às julho 22, 2004 01:04 AM

*********
Olha, ontem à noite li todo o capítulo César Miranda do Wunderblog.com. Este cara é muito modesto, ele é o máximo. Grande abraço a todos.

postado por: Milton Ribeiro às julho 22, 2004 11:17 AM

*********************
Ma chère MEG,
Genuflexo, agradeço-vos a citação a este rabiscador e francófono. Ave, César. Por Tutatis! Este vosso amigo fica agradecido.
Quanto ao talento do César Miranda, não preciso ser redundante, até porque sou um magricela feito o meu ídolo Asterix.
Amitiés,
BetoQ (Zadig).
postado por: Zadig às julho 22, 2004 03:01 PM
*******

César, você me deixa emocionada. Obrigada. O processo de edição do wunderblogs.com foi um aprendizado fundamental para mim. Meus wunderautores me dão muito orgulho.
Um beijo,
Isa

postado por: Isabella Marcatti às julho 22, 2004 07:38 PM
**********

Poxa, gente, o que me deixa mais feliz é saber que quando respondi isto jamais imaginava que vocês leriam a entrevista. Espero sempre responder entrevistas sem lembrar disto, só para depois ter surpresas tão boas quanto esta. Eu é que estou emocionado, Isa e todos meus amigos comentadores.

postado por: César Miranda às julho 22, 2004 08:36 PM
******
Publicado originalmente em 21 de julho de 2004

Blogs em Papel e Tinta – Entrevista com Ruy Goiaba

Nota

Entrevista feita por ocasião do lançamento do livro Wunderblogs.com. S. Paulo, Ed Barracuda, 207 – 297 p. Foi feita uma série de entrevistas  com alguns dos blogueiros. O convite foi para todos, mas só alguns responderam.  E os que responderam foram magníficos nas respostas. O lançamento ocorreu n odia  5/07/2004 – Voilà:

Olá, Ruy. Eu leio você desde o Blogger/Blogspot. mais ou menos, desde 2001.Você nunca deixou a peteca cair. Era uma espécie de vicio solitário?:-)Antes que surgisse a maçon…digo, os Wunderblogs, vc alguma vez já quis parar?

Ruy: Muito obrigado pelo elogio, Meg. Por não concordar inteiramente com ele é que já pensei em parar inúmeras vezes -sempre que me sinto sem inspiração, sofro com o excesso de trabalho extrablog ou “deixo a peteca cair”. Acontecia antes que eu me juntasse aos Wunderblogs e também aconteceu depois. Acabo voltando a escrever porque o Brasil é, para mim, um país inspirador -a goiabice aqui está por toda a parte:)

*É diferente: bom, melhor etc . escrever num ‘condomínio’ de blogs?

Ruy: Em alguns pontos, é diferente para melhor, sem dúvida. A qualidade dos textos de meus companheiros de portal exige que eu me esforce para escrever posts à altura dos deles (ou que, pelo menos, não passem muita vergonha na comparação). Esse nível de exigência é ótimo. E, em si, a companhia deles é fantástica. Foi um presente duplo – o convite para o portal e as amizades que fiz (e ainda estou fazendo) dentro dele.

* Por ser um livro de blogueiros, blogueadores, ou como dizem os lusos: bloguistas;-) há ilustrações? (como vê só perguntas cruciais;-(((]

Ruy: Nenhuma, Meg. Só texto. Mas você sabe que o forte dos nossos blogs é texto, com o perdão da imodéstia. O meu quase não tem ilustração nenhuma, a não ser os “pingüim covers” (ultimamente, algumas musas cinemusicais -Fanny Ardant, Françoise Hardy, Audrey Hepburn, Charlotte Rampling). Acho muito legal que uma editora como a Barracuda considere que nossos posts, escritos para ser efêmeros, ficam de pé a ponto de justificar um livro. Não estou muito certo disso no que tange aos meus, mas concordo quanto aos dos meus colegas.

*Diante do seu blog, às vezes, fico parada como o burro de Buridan (ou seria o “asno”?) e não sei se vou ler os posts de 2001, 2002 ou o que escreveu um ano atrás nessa mesma data. Você acha que é ruim o fato de que o que você faz tão bem, ficar esquecido, lá pra trás etc..?

Ruy: Sinceramente, Meg, acho ótimo que os posts de 2001 fiquem esquecidos. Odeio ler o que escrevi no começo do blog. Penso que só comecei a acertar o tom depois de uns seis meses de “blogagem” -só a partir de maio ou junho de 2002 escrevi alguns textos que ainda gosto de ler. Foi esse, aliás, o marco inicial da seleção que fiz para o livro.

*Como vocês fizeram para escolher os seus melhores posts se todos, em tese, são melhores?  Quem disse pra vocês, ou vocês se disseram: Basta!
Ficaram em dúvida, se arrependeram depois de tê-los enviado (os posts)
e acharam que “ai!, porque não mandei este em lugar daquele”?

Ruy: Não, foi fácil. Eu tinha uma idéia bem clara de quais posts desejava manter no livro, quais eu achava que ainda eram interessantes. Fizemos uma seleção inicial mais longa, que teve de ser bastante cortada para que coubéssemos todos num livro de 300 páginas -e eu cortei os meus com gosto e sem dó. Sou jornalista e tenho bastante experiência como redator: massacre da serra elétrica é comigo mesmo:)

Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento?
– Vocês tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet?

Ruy :Preciso checar as datas certas, mas acho que a idéia de fazer o livro começou a ser discutida no segundo semestre de 2003 no grupo dos Wunderblogs dentro do Yahoo!. Dali até o lançamento -que será agora, no início de julho- deve ter transcorrido um ano, talvez até um pouco menos. Conversamos muito pela internet e marcamos alguns encontros não-virtuais para tratar da obra.

*Aliás, como/quando foi que a idéia de fazer um livro dos wunder reunidos ganhou consistência e vocês viram que ia dar mesmo;-)?

Ruy: Fomos convidados pelo dono da Barracuda, Freddy Bilyk -também blogueiro, dono do “168 horas”- para fazer um livro-coletânea de posts, o que muito nos honra. Não saímos com a idéia da coletânea embaixo do braço, batendo à porta das editoras: fomos procurados. E o Freddy ainda está lançando a própria editora com o “wunderbook”, o que é uma tremenda responsabilidade para nós. Vimos que a coisa era séria ao longo das conversas com ele e com a nossa editora, Isabella Marcatti, que já trabalhou na 34. Freddy foi, salvo engano meu, diretor comercial da Editora D’Avila, na época em que ali se editavam as revistas “Bravo!” e “República”, então no auge. Espero que a Barracuda dê muito certo.

*Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?

Ruy: Só do meu? Não, nem me interessa muito. Acho legal como um capítulo do livro dos Wunderblogs, mas não penso que a “carreira solo”, no caso, se justifique. Um pedaço de goiaba já está de bom tamanho.:)

*Vocês escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem ‘assomos’ (hohoho) de seriedade?

Ruy: No blog, eu tenho “assomos” de seriedade muito raros, graças a Deus. E nenhum deles está na coletânea. Por outro lado, você pode considerar que todas as minhas brincadeiras são seriíssimas.;)

* É verdade que vocês vivem todos presos, e submissos aos tacões (ueba!!!)
ao chicot…digo, à tirania,  ao reinado da Miss Veen ,
(nao me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo a única menina, bonita, inteligente, num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo, Good Gosh, mas não lembra coisa de Dominatrix? Veen;-)?

Ruy:Juliana gosta de bancar a “rainha má” de vez em quando, mas não é bem assim. Ela é um doce. Somos “súditos” de Miss Veen não graças ao chicote, mas pela combinação de inteligência e beleza -ambas raras, ambas em grandes quantidades. Com isso, é claro que ela acaba sendo bastante paparicada, mas agora há mais wunderwomen para chamar a atenção dos “enlouquecidos rapagões”. Sobre os “tacões”, acho que só o Marcelo pode se pronunciar a esse respeito. 🙂

*Reza a lenda que o Marcelo di Polli (sp? é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música;ou seja que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

Ruy: Se o critério fosse só altura, Felipe Ortiz seria um sério competidor de Marcelo de Polli. 🙂 Marcelo e Juliana merecem todos os elogios pela qualidade do portal que foram capazes de montar. Quanto a mim, que sou mesmo um rosto de beleza ímpar (afe), não tem essa de “vencer pelo próprio talento”, não. Eu quero é ser gostoso, ver as goiabetes se jogando aos meus pés e dançar mambolê com todas elas. Uepa!:)

*Do alto da autoridade;-) que agora vocês têm, que blog “de fora” dos wunder, você acha que daria pé, digo, livro?

Ruy: Ah, há uma lista considerável. Vou citar só aqueles de que me lembro imediatamente -espero não cometer nenhuma injustiça. Eu leria livros-coletânea escritos pelo Nelson Moraes, do “Ao Mirante, Nelson!”, pelo velho e bom Inagaki, pelo Arnaldo Allemand Branco (do Mau Humor), pelo Milton Ribeiro, pelo Pedro Sette do Indivíduo e pelos lusitanos do Gato Fedorento. E tenho certeza de que esqueci vários; desculpem.

*É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

Ruy: Deus livre os leitores! *rs* . Mas, se houvesse a possibilidade e eu tivesse algum poder de decisão, queria ser dirigido pelo fantasma do Walter Hugo Khouri e ter no elenco, contracenando comigo, Monique Lafond, Aldine Müller, Helena Ramos e Nicole Puzzi. Claro, eu mesmo no papel de Jece Valadão ou Pereio. Não me contento com pouco, porra. 🙂

*Há entre os wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado.
Vocês acham ou não acham que escrever um blog dos bons não é coisa pra amadores? Particularmente, Ruy, lembro de você colocar à nossa disposição os livros do Campos de Carvalho. Putz…isso tem que ser considerado, não é?

Ruy: Meg, acho que isso de colocar à disposição os livros do Campos de Carvalho não fui eu que fiz… *rs*. Já citei o escritor surrealista, mas não me lembro de ter posto esse tipo de link para ele. Será que fiz isso? Preciso consultar os arquivos. Quanto à “coisa para amadores”, bem, todos somos amadores, mas tentamos sê-lo profissionalmente.:)

Os portugueses vivem fazendo livros de blogs… aqui no Brasil nunca se fez ainda – até o de vocês. O que vc acha disso?

Ruy: Em Portugal, desde o início, os blogs têm essa característica “literária”, por assim dizer, bem mais acentuada do que aqui. Lá eles são levados mais a sério, como veículos de expressão de gente como o escritor Miguel Esteves Cardoso e o eurodeputado Pacheco Pereira. O lado “querido diário”, que existe, parece bem menos presente do que no Brasil, e isso é ótimo – os portugueses parecem ter consciência de que para escrever em blog é preciso ser alfabetizado. Mas sou metade português, filho de mãe trasmontana e bem suspeito para falar disso.:)

*Ouve-se falar, agora,  que  ‘livro é livro, blog é blog’, (bem,…até é)
mas você acha que são coisas excludentes,  blog e literatura?

Ruy: Certamente não. Acho que qualquer coisa se pode fazer num blog. Literatura, filosofia -até um tratado teológico, se a pessoa tiver fôlego e interesse. Blog é só um instrumento. Aquela história de “diário virtual” é um clichê cada vez mais falso, embora ainda bastante confirmado. Reduzi-lo à dimensão do “diarinho” é, contudo, empobrecê-lo.

*Just for you’, Ruy: É verdade que você não acredita no Estado do Pará, oh homem de pouca fé?;-)))

Ruy: Eu disse isso também? Meu Deus, quanta bobagem já escrevi na internética. 🙂 Na verdade, influenciado pelo Campos de Carvalho, eu não acreditava era na existência da Bulgária. Mas fui cabalmente desmentido pelos belos olhos verdes de uma amiga que me assegurou ser descendente de búlgaros. Now I’m a believer. 🙂

*E, por fim: Há alguma coisa inteligente, cool;-) que eu não tenha perguntado e deveria?

Ruy:Não, Meg, as perguntas foram ótimas. Muito obrigado por elas.

Ruy, fico obrigadíssima. E, como já falei, encantada por sua gentileza em me deixar quase à l’aise:-) Muito sucesso para o livro e para a Editora.

 

 

Links referenciais e umas N. da E.:-):

Jules=Juliana Lemos = Miss Veen, que durante todo o tempo foi a única menina do portal:-). Agora, há a esfuziante Colorina e a inefável Astartéia.

Marcelo de Polli – El Gran Señor do Portal Wunderblogs e blogueiro
do Aquapermanens.

*Felipe Ortiz. É o outro altão dos Wunder, Ele é meu querido amigo e correspondente, em Constantinopla 😉 e escreve o belo blog Alexandrinas.

* Editora Barracuda Ltda..

*Alfred (Freddy) Bilyk, dono da Editora Barracuda e do blog 168 horas.

Isabella Marcatti. Editora da Editora .

Arnaldo Allemand Branco, escreve o blog Mau Humor.

Nelson Moraes – mantém um site e escreve vários blogs, entre eles o citado e conhecido de todos Ao Mirante, Nelson!

Alexandre Inagaki mantém o blog Pensar Enlouquece, Pense Nisso

Milton Ribeiro – escreve o blog Milton Ribeiro, homônimo, portanto.

*Pedro Sette Câmara Do site e do blog – O Indivíduo (que começou com Pedro Sette Câmara, Alvaro Velloso e Sergio di Biasi)* e continua embora o Pedro escreva com a maior frequência:-)
(alterado em 22/jul/04 à 1:20 h a.m – updated)

*Miguel Esteves Cardoso – Escritor. É de Portugal. No Brasil, há dois de seus livros: Minhas Aventuras na República Portuguesa (crônicas e textos coligidos por Eugénia Melo e Castro) e O Amor é fodido (romance) ambos pela Editora Francisco Alves.
Além disso, (como eu) adota o acrônimo MEC 😉 e adora Audrey Hepburn, para dizer o mínimo. Sou ‘cliente’ dele.

J. Pacheco Pereira, o deputado representante de Portugal na Comunidade Européia – mantém o blog Abrupto que assina como JPP

*Gato Fedorento blogue/ ‘criação coletiva’ de Tiago Dores, Miguel Góis, Ricardo de Araújo Pereira e Zé Diogo Quintela.

~=~=~=~=
Ficou grandinho, né? Desculpem. Mas vocês vão ler tu-di-nho, não vão?)

*Originalmente publicado em 19 de julho de 2004

Entrevista de Fabio Danesi Rossi

Blogs em papel e tinta – Entrevista com Fabio Danesi Rossi – FDR
Esta foi a primeira entrevista que fiz, assim que soube que os wunderblogs iam virar livro, iam ser editados.
Sempre faço entrevistas com meus amigos, principalmente os talentosos, os que não se assustam com minha voracidade de querer saber coisas que às vezes nem eu sei direito o que é, mas eles gentilmente adivinham e fazem bonito. Às vezes, alguns, me pedem críticas, recebo originais e dou a mesmíssima atenção a todos eles. Alguns são tão maravilhosos que dispensam qualquer observação. Outros, a maior parte, não gostariam do que tenho para dizer. E outros ainda recebem de bom grado, só não sei se fazem bem, o que lhes digo. Mas adoro mesmo é entrevistar hohoho, viu, Inagaki SAN?

No caso do Fabio Danesi Rossi, o FDR, certa vez, fiz uma mini-entrevista, e a resposta dele é um dos textos mais belos que já li, e até pedi autorização dele para publicar. Vocês v(l)erão.

Quando recebi convite do Fábio (oh yesss!) para o lançamento do livro WUNDERBLOGS.COM, fiquei impossível e crivei-o de perguntas, que ele -mesmo com o trabalho que tem no Rio de Janeiro , quer dizer na Barra;-) imediatamente respondeu. Isso foi em 27 de junho.
Quando fiz o post do lançamento usei todas as informações de Fabio que considero a minha melhor fonte;-) – pois suas respostas além de informativas, esclarecedoras, são cheias de um humor que invejo e que me dá muito prazer.
Esta entrevista é portanto, a primeira, mas está cheia de revelações que fariam qualquer pessoa – mesmo não sendo Narcisa, dizer: ai, que loucuuura!

Voilà e sintam o drama. E as revelações! Pensei até em publicar mais tarde. Não sei se foi , acho que sim, idiotice da minha parte, mas é que sou a Presidente do fã-clube do FDR (como George Bernard Shaw, se assinava GBS), e os que são estarão lendo, ( a mais recente convertida foi a Magaly, minha fiel Coordenadora de Publicações do Imagens&Palavras, que não sei porque não engrena.:-((] em primeiríssima mão, as noticias quentíssimas da publicação do livro do Fabio Danesi Rossi,Todas as Festas Felizes Demais pela Editora Barracuda, no dia 11 de agosto. Iuhuuu!

A data da entrevista foi 27/28 de junho de 2004, por e-mail. Os links foram colocados posteriormente. Grande parte dela foi usada neste post.

Fabio, querido. Olhe eu já soube – estou alvoroçada 😉 -e confesso, tenho um pouquinho de medo de fazer a divulgação [do livro] lá no SubRosa.
Afinal os Wunder são wonder (nem precisam de divulgação) e ia parecer que estivesse fazendo flattery, ou coisa que o valha! Mas já me decidi: é o que farei… Por muitas razões: adoro – muito, demais da conta – o Felipe Ortiz; além disso sou tiete do melhor e mais novo contista do Brasil, um certo FDR e o Dante, que tudo! ah! e acho o Alexandre simplesmente dono de um poder genial de criação, inventividade, etc etc…não só gosto como tenho imensa admiração pelos três grandes escritores que vocês são.
O César não conta, ça va sans dire. Sem contar que leio o Ruy Goiaba desde 2001, e ele nunca -até hoje – perdeu o estilo, nem deixou a peteca cair;-) O Radamanto só descobri agora, e gostei, depois que vi o anúncio…
Então, me sinto à vontade para falar deles , certo? Mas eu queria um prêmio:
Eu queria alguma informação assim que valorize ainda mais o meu post, por exemplo falar sobre a Barracuda, pode ser?
*Ah eu acho quase com certeza que seu livro será o segundo a ser editado, certo?
*E como foi o contato com o Ivan Lessa?
*Foi através do Geneton?
*O livro tem quantas páginas?
*Tem ilustrações ou não?
*Quantos posts cada um terá publicado?
*Quem fez a escolha: cada um escolheu o que achou melhor ou os Wunder se organizaram, reuniram e julgaram..ops..
Eu bem que lhe disse que adoro fazer entrevista…
Mas se não quiser falar nada, eu, poverina di me, saberei compreender…hoho. Beijos para a Milene.

F.gifabio: Meg querida, estou a trabalho no Rio (bem, se voce considerar a Barra como Rio de Janeiro…), e tenho pouco acesso a internet. Mas vou tentar te responder rapidamente:

O Wunderblogs e’ o primeiro livro da Barracuda. O meu livro será, provavelmente, o terceiro. A noite de autografos do Wunderblogs será tambem a festa de abertura da editora. O dono (ou principal dono) é o Freddy Bilyk, que tem o blog 168horas. Ele foi diretor comercial da [ revista] Bravo! por um bom tempo.

A editora da editora se chama Isabella Marcatti, que já trabalhou na 34, onde editou livros do [ escritor Marcelo] Mirisola. É uma garota muito legal e me ajudou muito a melhorar o meu livro de contos.

O meu livro de contos, como voce sabe, se chama Todas as Festas Felizes Demais, teve a orelha escrita pelo maravilhoso Fabricio Carpinejar e deve ser lançado em agosto. Tanto a capa do meu livro quanto a capa do livro Wunderblogs foram criadas pelo Marcelo Girard.

Eu tive a idéia de chamar o Ivan Lessa para escrever o prefácio do livro do Wunderblogs. O Ruy [Goiaba, claro] conseguiu o email dele da BBC e a Isabella entrou em contato com ele. Ele foi muito legal. Ela o chamou de senhor e ele respondeu: “Quem trata de Senhor é o Mel Gibson!”. E não aceitou receber pelo prefácio. Escreveu de graça.

O livro tem cerca de 300 páginas. Cada autor ficou com 20 e poucas páginas. Os posts foram selecionados pelos proprios autores. Depois, a Isabella sugeriu cortes e inclusoes. Todo mundo “negociou” com ela, e o resultado é o que está no livro. Acho que ficou muito bom. No caso dos meus posts, me concentrei em selecionar posts mais humoristicos e deixei a parte politica um pouco de lado.

Depois escrevo mais. Pode me encher de perguntas, que será um prazer respondê-las.

Foi o que fiz:-)

Quanto tempo levou entre a idéia de fazer o livro até o livro ir para a gráfica, a prova final e ficar pronto para o lançamento?

F.gif:Não sei exatamente quanto tempo. Menos de um ano, mais de três meses.

Vocês tiveram encontros (para discutir o livro, bem entendido) ou tudo foi pela Internet?

F.gif:A gente se encontrou com o Freddy e a Isabella algumas vezes, e também trocamos emails. Tudo foi feito de forma muito profissional, mas também de forma muito agradável.

– Você acha que poderia fazer um livro de seu blog? Isto é, um livro solo, só seu?

F.gif:Meu livro solo será uma coletânea de contos, Todas as Festas Felizes Demais, e deve ser lançado em agosto. Já está pronto, ficou muito bonito. O Fabrício Carpinejar escreveu a orelha. Uma honra.

– Vocês escolheram posts engraçados, sarcásticos, mas escolheram também os sérios se é que vocês tem assomos (hohoho) de seriedade?

F.gif:Sim, o livro tem alguns posts sérios, mas a maioria é apenas divertida. O ideal seria ser ao mesmo tempo sério e engraçado, como aquele filme do Woody Allen, Crimes e Pecados.

-Ih lembrei agora da Jules, a Miss Veen;-))) É verdade que vocês vivem todos presos, rendidos e submissos aos tacões (ueba!!!) ao chicot..digo, à tirania, ou melhor dizendo, ao reinado da Miss Veen , (nao me levem a mal, mas Miss Veen…com esse nick, sendo bonita, inteligente e a única menina num bando de enlouquecidos rapagões ops. o que estou dizendo, Good Gosh, mas não lembra coisa de dominatrix? Veen;-)

F.gif:A Miss Veen é uma déspota esclarecida. Nós gostamos muito dela. Mas, por precaução, estou construindo uma guilhotina lá em casa.

: Reza a lenda que o Marcelo di Polli (é assim?) tem 3 metros de altura e por isso ele é o boss e ai de vocês que não dancem conforme a música, ou seja que tirando ele, que é muito altão, vocês todos são rostinhos e corpinhos de uma beleza ímpar, mas querem vencer pelo próprio talento. É verdade?

F.gif:O Marcelo De Polli acha o Michael Jordan nanico. É impressionante. Se ele estivesse passando na frente das Torres Gêmeas na hora do atentado, talvez a guerra no Iraque não acontecesse. Agora, eu não sou bonito não. Nem tenho talento. Minha única virtude é a modéstia, e nem ela é lá grande coisa.

: Do alto da autoridade que você agora tem, que blog fora dos wunder, vc acha que daria pé, digo, livro?

F.gif:Acho que o Caderno Mágico do Dennis D. renderia um bom livro. Aliás, já rendeu. O Filho do Hipnotizador é uma coletânea de contos publicados originalmente no blog. São todos muito bons. Há vários outros blogs que renderiam livros. Todos os blogs que gosto de ler na tela do computador eu gostaria de ler em papel.

: E por fim a última pergunta: É verdade que logo mais estaremos assistindo Wunderblogs.com , o filme? E quem vai dirigir?

F.gif:Sim, é verdade. O Peréio vai fazer o papel do De Polli e Sônia Braga será a Miss Veen. Jece Valadão foi convidado para dirigir, mas ainda não aceitou.

: Há entre os wunder quem já tenha livros editados ou prestes a ser editado. Vocês acham ou não acham, que escrever um blog dos bons não é coisa pra amadores? Que não existe essa coisa de livro é livro, blog é blog, (até é) Mas não acham que quando o escritor é bom escritor a gente conhece quando ele escreve um blog?

F.gif:Sim, concordo com você. Uma vez perguntaram pro Bernard Shaw se era difícil escrever. Ele respondeu: “Ou é fácil ou é impossível”. Não é bem verdade, mas também não é uma mentira. O que eu gosto nos blogs é que tem gente que nunca escreveu nada além de cartões de Natal e acaba criando um blog e se revelando um excelente escritor. O Radamanto é um exemplo.

: Os portugueses vivem fazendo livros de blogs.. aqui não se fez ainda, até o de vocês, o que vc acha disso?

F.gif:Bem, os portugueses estão aprendendo a jogar futebol com a gente. Vamos aprender a publicar livro de blogs com eles!

: Acham -por favor diga que não – que são coisas excludentes blog e literatura?

F.gif:Não! Você pode escrever um novo Guerra e Paz e publicar no seu blog. O fato de ser blog não tira os méritos do texto.

(Não é por estar na minha própria presença:-), mas os meus entrevistados são… vocês sabem. E o Fábio então…)

Para o Fábio e para todos os que eventualmente me lerem, e meus 13 fiéis:

1- O livro Wunderblogs.com é excelente. Não acho que possa repetir mais as razões pelas quais acho isso. E não só porque é uma coletânea de posts de blogs. Eu morreria de tristeza se não tivesse esse livro. Ri-se muito é verdade, mas como disse um amigo, como não se emocionar com a doída, pungente concisão dos belos e divertidos e “agridoces” posts de Fabio Danesi Rossi? Na maioria das vezes, pura poesia? E jamais vou ouvir ou ler as últimas palavras de Libero Badaró sem ter uma ataque:-)

2-E abstendo-me de falar nos demais, porque esta é a entrevista do Fabio, eu sem medo de parecer ridícula ou piegas, declaro que se tivesse tido um filho, interesseira e exibida que sou, queria que fosse tal e qual o Fabio.

E agora?
Postado por.Meg Guimarães link permanente para este texto 21 jul 2004 @ 00:06 | Comentários (2) | TrackBack (0)