HOUSE: ética?

A casa caiu

Criador da série “House”, que chega ao quarto ano, David Shore adianta os próximos passos do médico ranzinza, abandonado pelos assistentes no fim da temporada passada

Divulgação
 

Hugh Laurie já recebeu dois Globos de Ouro pelo ersonagem-título; “ele trouxe uma carga grande de sarcasmo e grosseria, sem torná-lo hostil’, diz David Shore

LUCAS NEVES
DA REPORTAGEM LOCAL

Ás do diagnóstico, o infectologista Gregory House, protagonista da série que leva seu nome, desta vez falhou: não soube ler os sintomas de insatisfação de sua equipe. Agora, no início da quarta temporada (que estréia nesta quinta, às 23h, no Universal Channel), sente os efeitos colaterais: deixado a sós com sua ranhetice por Foreman, Cameron e cia., não tem a quem esculachar ou exibir seu intelecto.
Mas não há de ser por muito tempo, segundo contou David Shore, criador do programa, na entrevista telefônica a jornalistas latinos da qual a Folha participou, na semana passada.
“Estamos fazendo uma espécie de “Survivor” [reality show americano que inspirou a gincana eliminatória global “No Limite”] neste ano. House não é do tipo que abre um concurso, faz 40 entrevistas e contrata três pessoas. Sua linha é mais contratar 40 e demitir 37. Suas decisões a respeito de quem fica e quem sai darão dicas interessantes sobre quem ele é.”
O “processo seletivo” deve se estender por oito ou nove episódios. Mas o entourage antigo do médico no hospital Princeton-Plainsboro ainda não aposentou os jalecos. “Eles voltarão. A surpresa para o público será a forma como se dará esse retorno”, adianta Shore.
O “enxugamento” súbito de elenco não fez mal à audiência da série. Os sete primeiros episódios da nova safra registraram média de 19,1 milhões de espectadores, garantindo a “House” o sexto lugar no ranking da televisão americana.
No Brasil, em sua terceira temporada, foi o terceiro seriado mais visto nos canais pagos. A Record, que exibe o segundo ano da atração na TV aberta, tem obtido sete pontos (cada ponto equivale a 54,5 mil domicílios na Grande São Paulo), bom índice para uma produção estrangeira.

Perfil contra-indicado
Arrogância, egolatria e rispidez são traços contra-indicados a qualquer protagonista que aspire à admiração do público. Dr. House não dá a mínima para isso -e, ao que parece, nem os fãs da série. “Ele faz sucesso, em primeiro lugar, porque está salvando vidas. Se fosse manobrista e continuasse tão grosseiro, não sairia incólume. Além de ser brilhante no que faz, é capaz de dizer coisas que todos nós gostaríamos de dizer”, diz Shore.
Por sua atuação como o médico genioso, o inglês Hugh Laurie já recebeu dois Globos de Ouro e duas indicações ao Emmy (o prêmio máximo da TV dos EUA). “Ele trouxe ao personagem uma carga grande de sarcasmo e grosseria, sem torná-lo hostil”, elogia o criador da série, advogado de formação que foi buscar na medicina o pano de fundo para seu primeiro hit televisivo.
“Sei que não faz o menor sentido. É que não vejo “House” como um programa médico. O coração da série é a relação do médico com as pessoas e o posicionamento dele diante de dilemas éticos. Não se trata tanto de diagnóstico ou procedimento médico quanto das decisões morais que ele tem de tomar.”

Diga à TV que fico
Com o nome em alta em Hollywood, Shore diz que não pensa em fazer a transição para o cinema. “A televisão é o meio em que você quer estar hoje, nos EUA, se você é um roteirista. Se estivesse fazendo um filme, o diretor reescreveria o meu script. Na TV, sou eu que digo ao diretor o que estamos buscando. O que importa hoje nos filmes é o espetáculo, o que você pode explodir. Por isso é que a televisão começou a atrair roteiristas. Além disso, esse veículo permite explorar um personagem por muitos anos, o que não acontece no cinema, onde você divide duas horas com efeitos especiais.”
A greve dos roteiristas, que há 15 dias paralisa boa parte da produção de conteúdo televisivo nos EUA (a classe pede participação nos lucros com download na internet e vendas de DVDs), já tem consulta marcada com House. “Estamos rodando o 12º episódio. É o último para o qual há script. Não irei reescrevê-lo para que sirva como encerramento da temporada, caso a greve se estenda. Por isso, espero que os produtores ofereçam logo um contrato justo”, afirma Shore.

Retirado daqui: FSP 

Anúncios

2 respostas em “HOUSE: ética?

  1. De fato a série é excepcional comparada as existêntes hoje, obdecendo a várias regras do teatro grego ela consegue agradar a gregos e até mesmo troianos.
    A unica questão em aberto é até quando Hugh Laurie aguenta essa correria de grevar nos EUA e ter a familia residindo na Inglaterra.

    Mas enquanto isso nós podemos saborear o sarcasmo e o raciocinio brilhante deste personagem.

    Carlos Lemes
    http://leitorcritico.wordpress.com/

    =-=-=-=-=-=-=

    RESPOSTA:
    Carlos, em primeiro lugar, seja muito bem-vindo, a casa é sua:-)

    De fato, a série HOUSE e o personagem e o personagem Dr Gregory House são um deleite para mim. E um mistério também;-)
    Não sei definí-lo, acho que ele é tudo isso: arrogante, indiferente aos valores humanos, `moral, inclusive etc etc, e ao mesmo tempo, capaz de grandes gestos, grandes atos.
    Claoro que a série (como alia´s qualquer uma visa ao entretenimento, mas HOUSE é uma das que nos faz pensar, refletir.

    Agora fiquei interessadíssima nessa frase que você diz: “obdedecendo a varias regras do teatro grego”. Queria saber mais um pouco a respeito disso.

    E acho que sim, ele vai agüentar gravar nos USA e morar na GB. Muitos outros como ele, ou além dele, fazem isso. O importante para mim, sabe, Carlos, é que o autor continue mantendo o ritmo. E a série é tão boa, que qualquer deslize pode ser fatal;-0
    Um abração
    Meg.

  2. Eu simplismente amo o seriado House,arrogante ou não ,ani-ético ou não é um seriado que passa muita emoção para o público além de ensinar muito sobre as doenças que muitas ainda não conhecia, só achei meio chato a terceira temporada não estarem com a equipe dele´, porque se acaso o diretor mudar os atores, simplismente irá perder a graça, já estavamos acostumados com os antigos ,Cameron,Jesse e Foreman só pesso que ele não mude os atores que são simplismente ótimo.

    =-=-=-
    Julia, minha querida
    Primeiro que tudo, seja bem-vinda, a casa é sua, OK?
    Mas, sabe, eu acho que vc não prestou muita atenção: a questão da ética não é em relação ao House ou aos métodos do House – que é martvilhoso, eu adoro e o único defeito que ele tem é não casar comigo hahah.

    O ético dessa notícia diz respeito à GREVE DOS ROTEIRISTAS que pode atingir todas as séries e shows de televisão dos USA.
    É isso, fofa.
    Um beijo.

    P.S Agora, sossegue, como vc viu ontem, a Cameron já reapareceu e o Chase também
    Logo será a vez do Foreman.
    Beeeeijus!

    M.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s