Guimaraes Rosa no cinema – MUTUM

23/05/2007 – 20h07

“Miguilim” de Guimarães Rosa chega à tela em Cannes

MÁRCIO FERRARI,
editor de UOL Cinema

Divulgação

Cena de Mutum

Cena de Mutum

Estréia da diretora Sandra Kogut na ficção, o longa-metragem “Mutum” será exibido nesta sexta-feira em Cannes, no encerramento da tradicional Quinzena dos Realizadores. O filme é uma adaptação da novela “Manuelzão e Miguilim”, de João Guimarães Rosa. A história acompanha o dia-a-dia do menino Miguilim na fazenda onde mora, em particular sua relação com a mãe e o irmão Felipe. A diretora define “Mutum” como “um filme sobre a despedida da infância”.

“Mutum” é uma co-produção entre a brasileira Tambellini Filmes e a francesa Gloria Films, com apoio do canal de televisão francês Arte. Boa parte do elenco é formada por atores não-profissionais, lado a lado com nomes conhecidos como João Miguel, Flávio Bauraqui e Luiz Carlos Vasconcelos. A comissão de seleção da Quinzena dos Realizadores destacou no filme seu “olhar poético”.

A carioca Sandra viveu e trabalhou na França e nos Estados Unidos. O início de sua carreira esteve mais ligada às artes plásticas, com ênfase nas experimentações em vídeo. No início dos anos 90 ela criou o projeto “Parabolic People”, rodado em seis grandes metrópoles do
mundo. Outros de seus trabalhos mais divulgados são o curta “Lá e Cá” e o documentário em longa metragem “Um Passaporte Húngaro”.

Leia a seguir a entrevista que a cineasta concedeu ao UOL por email.

O enrendo do filme difere muito da novela de Guimarães Rosa?

Sim e não. Talvez seja mais indicado dizer que o filme é um diálogo com a novela, porque ele é fiel a ela no que tem de mais essencial: as sensações da infância. Mas, para ter força como filme, ele teve de ganhar independência do livro. Senão seria impossível dar certo. Um livro é uma coisa enorme, que a gente lê durante dias. Um filme perto disso não é nada? só uma hora e meia! Então o filme é mais conciso, tem menos histórias paralelas, aposta mais nos personagens principais.

O que a atraiu em “Manuelzão e Miguilim”?

Há muitos anos eu sou fã do Miguilim. Sempre achei que daria um lindo filme, porque fala de sentimentos delicados e profundos e o cinema é um lugar muito rico para expressar sutilezas. Apesar da história se passar numa fazenda, com vaqueiros (é um faroeste), eu tenho a impressão de conhecer profundamente as sensações que são contadas ali.

Por que o filme se chama “Mutum”?

Mutum é o nome do lugar onde eles moram, no livro também. Como todo o resto, tem um lado real (se você procurar no mapa, vai achar um lugar com esse nome) e outro totalmente imaginário. O Mutum simboliza a infância, tem a mata escura e assustadora, as brigas ouvidas atrás da porta, as conversas escondidas dos irmãos no quarto antes de dormir, já no escuro, as tempestades? E também as brincadeiras, as cumplicidades. As paisagens são paisagens internas; a natureza é o mundo interior dos personagens.

Que soluções você buscou para levar a linguagem de Guimarães Rosa às imagens?

Muitas vezes as pessoas se apegam à maneira de falar dos personagens quando adaptam Guimarães Rosa. No nosso caso, os atores nunca leram o roteiro, e falaram usando as próprias palavras — o que não quer dizer que eles improvisavam. Como a maioria deles era do sertão, tinham um jeito de falar próximo à linguagem do livro. Todo o trabalho de atuação se construiu nessa proximidade entre a vida deles e a dos personagens.

Quem são os atores e como eles foram escolhidos?

O elenco mistura alguns atores profissionais com vários não-atores. A primeira coisa que eu quis foi encontrar as crianças, porque o filme se constrói a partir delas. Para mim era muito importante fazer esse trabalho eu mesma. O encontro com o Thiago [Thiago da Silva Mariz], que faz o personagem principal, me deu a certeza de que o filme era possível. Em função das crianças pude escolher os adultos, para formarem então uma família. Em seguida eles moraram juntos durante dois meses, mergulharam de cabeça nessa experiência de vida. No total foi um ano e meio de preparação. O trabalho da preparadora de elenco Fátima Toledo, desde a fase das oficinas, foi importantíssimo.

Como foi filmar no interior de Minas e onde exatamente foram as locações?

A escolha das locações foi feita a partir da escolha dos atores. Quis filmar na região onde tinha estabelecido laços mais sólidos, porque o mais importante para mim não eram as paisagens, mas a vida daquelas pessoas. Nossa base foi a cidade de Três Marias, no norte de Minas.

Sua carreira esteve até agora mais ligada ao universo não-ficcional. Que novidades “Mutum” representou para você e como as encarou?

Foi um desafio e tanto. Aprendi muito. Embora tenha muitos elementos de documentário, é um filme de ficção, com todos os desafios que isso representa — uma equipe muito maior, uma escala de produção também muito maior. A gente trabalhou numa situação em que nada era realmente controlado. Tínhamos muitos fatores de risco, o que em geral acontece mais em documentários. Mas isso trouxe muita vida ao filme. Todos os dias a Ana [a co-roteirista Ana Luiza Martins Costa] e eu reescrevíamos as cenas do dia seguinte. Achei isso fascinante: o filme vai se impondo, como uma coisa viva. Adorei trabalhar com ficção.

A pergunta inevitável: qual é sua expectativa em relação ao festival?

0 convite da Quinzena dos Realizadores foi muito especial: eles nos convidaram para fazer o encerramento, dando ao filme um destaque excepcional, que mostra a relação legal que eles estão tendo com ele. Foi um convite prestigioso e o jeito como eles vêem o filme me deixou
muito feliz. Fico honrada de fazer parte disso.

Mais
Brasil começa sua participação lateral em Cannes

Anúncios

6 respostas em “Guimaraes Rosa no cinema – MUTUM

  1. Sou morador de Mutum MG, cidade na qual foi baseada a historia de Guimarães Rosa e que atende realmente ao que se fala sobre o lugar no livro. È um lugar bonito com muitas montanhas e cachoeiras, vale a pena conhecer, fica no leste de Minas, próximo à divisa com o Espirito Santo…Fico honrado de ter esse filme com o nome de minha cidade que é taao pequena…

    =-=-=-
    Jonatas, ser uma cidade pequena é um conceito relativo.Muito, mesmo. Faz-se grande quando nas palavras de quem canta e louva o mundo. Alguém disse que falndo-se de nosso quintal, se estaria falando do Universo.
    Eu fico muito feliz de tê-lo aqui. Faça deste blog uma extensão de sua casa.
    Um abraço

  2. Oi, é bom saber que a cidade onde nasci e que sermpre volto para rever os amigos e curtir tudo de bom que ela tem a oferecer me faz ainda mais orgulhosa de ser mutuense. Mutum fica localizada no leste de Minas, com belas paisagens, gente simples e muito acolhedora. Ainda não fui ver ao filme, mas verei assim que estiver nos cinemas de Vitória -ES, onde moro .

    =-=-=-=
    Marcia, seja bem-vinda, e retorne sempre.
    Obrigada pela informação sobre a localização geográfica da cidade.
    Penso um dia quando for a MG visitá-la.
    E quanto ao filme, já assistiu?
    E quanto a Guimaraes Rosa, você aprecia?
    Um abraço

  3. obrigado pela hospitalidade!!!

    gostaria de saber se você tem informação de como foi escrito este livro de Guimarães Rosa – Campo Geral – eu li apenas um resumo dele quando prestei vestibular mas pretendo le-lo na íntegra; se quando ele escreveu esse livro se foi realmente baseado na cidade, se ele esteve por la, para escrever com referencia a cidade que tem mais ou menos 85 anos de fundação. Se tiver essas informações me passe por favor, obrigado e parabens pelo texto e entrevista…
    abraço

    ==
    Jonatas, uma da coisas maravilhosas que o ORKUT tem são as cominidades,
    Há várias cmunidades e exite um só sobre Cmpos Gerais
    Nasta vc entrar em http://www.orkut.com
    Vc vai adorar.
    Beijos
    Meg

  4. Acho apenas que estão acontecendo algumas confusões. Sou moradora do Norte de Minas, do verdadeiro grande sertão de que fala Guimarães Rosa. E a Mutum da realidade não fica lá. Mutum, geograficamente falando, fica no leste de Minas. Acho que a Mutum de que fala Guimarães Rosa é mais uma cidade ficcional que uma referência à cidade real. A escolha do nome, sob minha interpretação, vem da sua relação com as coisas da infância, o mato, as brincadeiras, os medos, os mitos, as imagens do interior e do sertão. Não vi o filme, mas estou louca para ver. Sempre fico ansiosa por produções que retratem o Norte de Minas – tão carente de exposição e de admiração. Mas na maioria das vezes me decepciono, pois o Norte mostrado e falado não é o Norte de verdade. Falta adentrar pelo Norte mesmo, ir além de Montes Claros, conhecer os vilarejos, Coração de Jesus, Grão Mogol, Curvelo, Mato Verde, Pirapora, Claros dos Poçoes, São João da Ponte. Fica a expectativa…

    JURANDIRA:
    Sabe de uma coisa, vá ver o filme
    De tudo o que é mais importante é ver que um filme baseado em obra de Guimaraes Rosa é tão bem aceito, é tão importante que muitas são as procuras e muitas as discussões.
    Caso vc saiba ao certo, por favor diga-nos.
    O caso também é que o escritot é um criador e ele sempre transforma a ReALIDADE MESMO AO RETRATÁ-LA.
    Um grande beijo e seja sempre bem-vinda.
    Beijos
    M.

  5. Sou nascido em Mutum ha 47 anos, moro em Rio das Ostras e no rio de janeiro a 43 anos, sou artista plastico e me identifico com toda obra de arte, ainda mais se o berço nascedouro for o mesmo que o meu, estou muito curioso para assistir o filme, porque ao ler o nome e toda a sinopse, já rejuvenesci voltando no tempo.

    ======
    Uma honra tê-lo aqui, seja bem-vindo.
    E digo-lhe: veja o filme, é belíssimo.
    Um forte abraço
    M.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s