INCENTIVO À LEITURA

Ações de incentivo à leitura crescem no país

Plano Nacional do Livro e Leitura praticamente dobrou o número de iniciativas cadastradas em um ano, entre públicas e privadas

Programa do Instituto Ecofuturo distribui livros e computadores para 60 finalistas; 50 mil textos devem concorrer neste ano

FÁBIO TAKAHASHI
FERNANDA CALGARO
DA REPORTAGEM LOCAL

Na tentativa de reverter o baixo interesse dos brasileiros pelos livros -fato apontado em pesquisas do setor-, iniciativas tanto públicas quanto privadas de incentivo à leitura se multiplicam pelo país.
O movimento pode ser medido pelo número de ações cadastradas no Plano Nacional do Livro e Leitura, articulado pela União, mas que possui a participação dos Estados e municípios e da sociedade civil.
Lançado em março de 2006, o programa praticamente dobrou o número de iniciativas cadastradas em um ano, de 162 para 306. Há outras cem ações ainda sob análise da coordenação do plano.
Além disso, o prêmio VivaLeitura (promovido pelo governo federal e pela Organização dos Estados Ibero-Americanos, patrocinado e realizado pela Fundação Santillana) recebeu 3.031 projetos em 2006, que estão sendo sistematizados e também poderão ser incluídos no plano nacional.
As diversas ações visam reverter a atual situação da leitura no país: o brasileiro lê, em média, 1,8 livro por ano, segundo pesquisa da Câmara Brasileira do Livro e de entidades ligadas a editores. Na França, o índice é de 7, e na Colômbia, de 2,4. Além disso, cerca de 10% das cidades do país não têm bibliotecas públicas.
O Plano Nacional do Livro e Leitura visa integrar ações que vão desde o programa da União de distribuição de livros didáticos para o ensino básico, que consome R$ 571 milhões, até projetos não-governamentais como o do Instituto Ecofuturo (“Ler é Preciso”), que premia crianças e jovens em concursos de redação, além de doar bibliotecas comunitárias.
No total, o plano deverá contar neste ano com mais de R$ 800 milhões. Só as ações da iniciativa privada movimentarão R$ 38 milhões. “Existem muitas iniciativas de incentivo à leitura no país, mas elas estavam desarticuladas, o que causa uma perda de recursos financeiros e humanos”, afirma José Castilho Marques Neto, secretário-executivo do plano.
Apesar do crescimento no número de ações, Marques admite que o número é insuficiente. Para ele, a situação será satisfatória quando chegar a mil iniciativas cadastradas.
Além de melhorar a articulação entre as ações, o projeto permitirá a identificação das áreas onde não há programa de incentivo à leitura, que terão de ser prioritariamente atendidas em projetos futuros.

As ações
Algumas das iniciativas adotadas no plano são os prêmios que incentivam a leitura. O do Instituto Ecofuturo, por exemplo, distribui livros e computadores para os 60 finalistas, além de instalar uma biblioteca comunitária num local indicado pelos premiados.
Na edição 2005-2006, houve 21 mil redações inscritas. A expectativa para este ano é receber 50 mil textos. “É fundamental criar condições para que as pessoas compreendam o que lêem e consigam se expressar”, diz Christine Fontelles, diretora de Educação e Cultura do Instituto Ecofuturo.
Outra iniciativa grande é o Prêmio Vivaleitura. O objetivo é estimular e reconhecer as melhores ações relacionadas à leitura no país. Na sua primeira edição, no ano passado, o vencedor de cada uma das três categorias recebeu R$ 25 mil (leia mais em texto nesta página).

Texto Anterior: Pontos citados são seguros, diz São Paulo
Próximo Texto: Finalista em concurso de 2005, Laina ganhou bolsa em escola particular

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s